X

Economia

Clima de cautela faz Bolsa recuar 0,67% e dólar avançar para R$ 3,12

O índice foi pressionado principalmente pelos papéis da Vale, que perderam 3,09% (PNA) e 2,26% (ON), seguindo o recuo do minério de ferro na China

Folhapress

Publicado em 07/03/2017 às 00:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O clima de cautela fez a Bolsa recuar 0,67% e o dólar avançar para R$ 3,12 / Divulgação

A semana começou em ritmo de cautela nos mercados mundiais, com os investidores atentos aos dados econômicos que serão divulgados ao longo da semana. Desta forma, o Ibovespa acompanhou o movimento na Bolsa de Nova York e caiu 0,67%, aos 66.341,37 pontos. O giro financeiro foi de R$ 8 bilhões.

O índice foi pressionado principalmente pelos papéis da Vale, que perderam 3,09% (PNA) e 2,26% (ON), seguindo o recuo do minério de ferro na China.

As ações da Petrobras fecharam em queda de 1,43% (PN) e 0,43% (ON). No setor financeiro, Itaú Unibanco PN caiu 0,39%; Bradesco PN, -0,97%; Bradesco ON, +0,46%; Banco do Brasil ON, +0,80%; e Santander unit, -1,21%.

O mercado também aguarda a reunião de política monetária do BCE (Banco Central Europeu), na quinta-feira (9), que pode sinalizar uma redução no programa de estímulos monetários. Mas o dado mais esperado são os números de emprego nos Estados Unidos, o chamado "payroll", relativos a fevereiro, que saem na sexta-feira (10).

Se a criação de vagas de trabalho no mercado americano superarem as estimativas, estará sacramentada a elevação dos juros pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos Estados Unidos) na próxima semana.

Cleber Alessie, operador de câmbio da corretora H.Commcor, afirma que a presidente do Fed, Janet Yellen, sinalizou na sexta-feira (3) o aumento dos juros neste mês, mas os condicionou aos dados econômicos que serão divulgados até a reunião dos dias 14 e 15. "Se, ao contrário, o 'payroll' vier muito abaixo do esperado, as apostas de aumento dos juros na semana que vem podem diminuir", diz.

Câmbio

O dólar, que operou sem direção definida no exterior, fechou em alta ante o real. A moeda americana avançou 0,41% na cotação comercial, a R$ 3,1280. O dólar à vista, que encerra a sessão mais cedo, ajustou-se ao discurso de Yellen na sexta-feira e caiu 0,35%, a R$ 3,1258.

Outro motivo de tensão mundial foi que a Coreia do Norte lançou nesta segunda-feira (6) quatro mísseis balísticos no mar do Japão. Esta é a segunda ação do tipo em menos de um mês, apesar da resolução da ONU que impede o país comunista de realizá-las.

No campo doméstico, os investidores aguardam a divulgação da segunda lista do procurador-geral da República, Rodrigo Janot. Nos próximos dias, Janot deverá pedir ao STF (Supremo Tribunal Federal) inquéritos contra ministros e aliados do presidente Michel Temer citados em delação premiada de executivos da Odebrecht na Lava Jato.

No mercado de câmbio pairam dúvidas se o Banco Central vai rolar ou não os contratos de swap que vencem no início de abril, no total de cerca de US$ 9,7 bilhões. A operação equivale à venda futura de dólares. Se a autoridade monetária optar por não rolar os contratos, o dólar deve subir, já que esse montante será retirado do mercado.

Apesar do cenário de cautela, os juros futuros negociados na BM&FBovespa recuaram, refletindo a pesquisa Focus, do Banco Central, divulgada nesta segunda-feira (6). O Top-5, que reúne as instituições que mais acertam as projeções, reduziu a expectativa para a taxa básica de juros (Selic) em 2017 a 9%, contra 9,50% anteriormente. Para 2018, a projeção caiu ainda mais, a 8,75%, ante 9,25% na pesquisa anterior.

Juros

No mercado de juros futuros, investidores buscam proteção contra flutuações dos juros negociando contratos para diferentes vencimentos.

Ainda no cenário doméstico, o mercado vai monitorar os dados do PIB (Produto Interno Bruto) do quarto trimestre, que saem nesta terça-feira (7) e o IPCA, o indicador oficial de inflação, que será divulgado na sexta-feira (10).

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Oportunidade

Praia Grande oferece 50 vagas gratuitas para oficina de fotografia

Inscrições começam na próxima segunda (22), no Palácio das Artes

COPA DO BRASIL

Sorteio define mandos das semis da Copa do Brasil; veja quem decidirá em casa

É a primeira vez na história que uma competição de cunho nacional terá a decisão das semis sendo do eixo Rio-SP, com 2 de cada estado

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software