X
Economia

Bit 'quem'? Desvendando os mistérios do Bitcoin

Assunto do momento, o Bitcoin foi criado por Satoshi Sakamoto para ser uma alternativa às moedas centralizadas, que se mostraram frágeis e dominadas por bancos e governos

O 'Bitcoin' é assunto bem atual, mas ainda é uma palavra estranha para muita gent / Reprodução

Carolina Lagoa
É CFO Witec It Solutions.
Responsável pela área de inovação, investimentos e marketing digital na companhia, com 11 anos no mercado de tecnologia

Apesar de ter sido criado há quase uma década, o “Bitcoin” é assunto bem atual, mas ainda é uma palavra estranha para muita gente. Nosso objetivo é desmistificá-lo, explicando como funciona e quais suas vantagens e desvantagens. Assunto do momento, o Bitcoin foi criado por Satoshi Sakamoto para ser uma alternativa às moedas centralizadas, que se mostraram frágeis e dominadas por bancos e governos depois da bolha imobiliária de 2009. Tratar o Bitcoin como forma de pagamento virtual é o erro mais comum cometido pelos leigos (nós)!!

O Bitcoin é dinheiro, um tipo de moeda como o Dólar ou o Real. Mas o seu diferencial principal é ser totalmente digital, intitulada como “Criptomoeda”.

“Coin”, em inglês, significa moeda e o termo “bit” é usado corriqueiramente para indicar algo relacionado a computadores. Daí o nome dessa novidade que, por ser protegida por criptografia de blockchain, tem a mesma funcionalidade das notas de dinheiro em espécie: não tem como ser rastreada e se está em sua posse, você é o dono.

Mas Carol, como o Bitcoin é moeda se a gente não pode guardar na carteira?  
Pode sim! Mas em uma carteira virtual, tudo rodando e funcionando no mundo digital.

Como eu faço para comprar Bitcoins?
Basta realizar um cadastro em algum site de carteiras digitais como Coinbase, BitPay ou Mercado Bitcoin, que será a sua “carteira digital”. Esse programa irá gerar um “código” que será, então, usado para comprar ou vender mais Bitcoins ou para fazer transações como compra e venda espalhadas pelo mundo inteiro.

Como são geradas as Bitcoins?
A emissão dessa moeda, diferentemente de todas as outras, não é controlada por um órgão central. Ela é produzida por milhões de supercomputadores mantidos por usuários chamados de “mineiros” e que emprestam a capacidade das suas máquinas para gerar a moeda e registrar as transações feitas por elas no blockchain.

Como as pessoas lucram com BitCoins?
Seguindo uma regra geral de mercado, o valor da BitCoin varia de acordo com o binômio oferta x demanda. Como o número de pessoas usando essa moeda está crescendo cada vez mais ao redor do mundo, a cotação está cada ano mais alta, e já bateu o patamar histórico no mês passado, fechando outubro de 2017 valendo mais de 4 mil dólares. Diante desse cenário, a compra e venda da própria moeda pode ser uma fonte de lucro.

Alguns especialistas em mercado financeiro acreditam que essa enorme valorização da moeda é uma “bolha” econômica e, se estourar, o valor do Bitcoin irá despencar!

Já outra corrente acredita que, com o aumento dos adeptos, a alta de sua valorização é uma tendência para o próximo ano.

Enquanto a moeda em si é um passo interessante da descentralização do controle do mercado por governos e grandes bancos, há grandes dúvidas sobre a sua validade e legitimidade como alternativa às moedas tradicionais, já que seu valor não é baseado em algo palpável e seu uso muitas vezes é associado à atividade criminosa irrastreável.

Uma coisa é certa: a tecnologia do blockchain que veio com o Bitcoin é um marco na história e mostra que organização econômica em um mercado descentralizado é possível SIM!

“Dindin” em forma de tecnologia...Quem diria né?
Até a próxima!
[email protected]

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

ELEIÇÕES 2022

Janones critica 'arrogância' de discurso da esquerda no Twitter

'Arrogância de setores da elite intelectual não lhes permite compreender que João Gomes forma mais opinião que Chico e Caetano', escreveu

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia caminha para se tornar incontrolável, dizem especialistas

Com os níveis atuais de desmatamento registrados -com diversos meses com destruição amazônica acima dos 1.000 km²-, os compromissos climáticos internacionais do Brasil podem ficar em xeque, especialmente a redução da emissão de gases-estufa

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software