Toca de Assis

No meio de Santos, a paz se encontra

Comentar
Compartilhar
27 MAR 201414h27

No meio da Rua Xavier Pinheiro, bem perto da movimentado Conselheiro Nébias, é possível encontrar um pedaço do céu, tamanha é paz no local onde funciona o Instituto Filhas da Pobreza do Santíssimo Sacramento, da Fraternidade de Aliança Toca de Assis. A acolhida, a dedicação ao próximo e o zelo pelo que é sagrado é visível assim que se entra na casa, em moldes antigos e com muito verde. É com toda essa paz que começamos a apresentar as entidades participantes do DL Solidário. A primeira delas, mostrando o trabalho de amor ao próximo desenvolvidos pelas irmãs da Toca de Assis.

A casa tem capacidade para 10 mulheres, mas atualmente trabalha com oito internas. Quando a reportagem do Diário do Litoral chegou, parte delas estava tomando sol na parte externa da casa. Umas são bem senhoras, já na terceira idade.Outrasbem sofridas, com traços de que a vida as teria castigado.

Crédito Matheus Tagé/DL

A primeira a receber a equipe foi a irmã Ellen, que logo foi explicando o que funcionava em cada aposento e como a atividades da casa eram desenvolvidas. Às 8h30 da manhã, as irmãs já tinham ido à missa e as internas já tinham tomado café. Oito irmãs se dividem nas tarefas diárias como dar banho nas internas que mais necessitam de ajuda, dar comida, acompanhar as atividades dos voluntários, fazer as orações, fazer as rondas noturnas e administrar as contas da casa.

A Toca de Assis está instalada em Santos há 11 anos, sendo que no primeiro ano o local ficava na Rua da Liberdade, no Embaré. Mas há casas de fraternidade espalhadas por todo o País e também em Equador. Ao todo são 20 casas. A sede é em Campinas, São Paulo.

A casa fica aos fundos do Centro de Recuperação Dona Adelaide. A divisão começa um refeitório, onde uma funcionária já preparava o almoço. Depois vem os quartos das internas (que são divididos conforme a necessidade física de cada uma), os quartos das irmãs chamados de clausura (onde só as irmãs têm acesso), a sala e os banheiros. No mesmo terreno tem uma sacristia, um escritório, um galpão para eventos, uma pequena lavanderia e a capela.

É tudo muito simples, mas acolhedor. Talvez por isso, as senhoras que são encontradas nas ruas durante a ronda das irmãs, chamada de Pastoral de Rua, se sentem tão bem no local. Além de todo o cuidado das irmãs, as internas recebem o carinho de voluntários que se dividem entre os dias da semana para desenvolver atividades com elas.

Na segunda-feira, por exemplo, a voluntária aera uma contadora de histórias. Tem também voluntários fisioterapeutas e psicólogos. A maioria das internas tem problemas de saúde mentais e fisiológicos. Algumas mal conseguem conversar ou tomar banho sozinha.

Além dos voluntários, a casa conta com três funcionários, sendo uma delas cuidadora de idosos. Somente um das oito internas – a que tem mais condições físicas - ajuda nos afazeres da casa. Os funcionários, a comida, as contas de luz e água, e demais despesas são pagas com o dinheiro que a fraternidade recebe de doações, vindo de benfeitores (como as irmãs chamam as pessoas cadastradas para ajudar a Toca) e do lucro do bazar, que funciona da Zona Noroeste e vende as roupas usadas recebidas pela entidade também por doação. A Toca de Assis pertence a Diocese de Santos, mais precisamente da Igreja Imaculado Coração de Maria, da Vila Mathias, e não recebe nenhuma subvenção da Prefeitura Municipal.