Sol e patriotismo no Desfile de 7 de Setembro em Santos

Excepcionalmente neste ano, estudantes não participaram das celebrações do Dia da Independência, como prevenção à Gripe A (H1N1)

Comentar
Compartilhar
20 JAN 201315h23

Contrariando a previsão do tempo, manhã de sol no dia 7 de setembro. Com o clima quente, santistas acordaram cedo para acompanhar o desfile cívico-militar do Dia da Independência do Brasil, realizado na avenida Bartolomeu de Gusmão, na praia entre os canais 5 e 6, um dos cartões postais mais bonitos da Cidade. No entanto, o sol despontando na Ilha de São Vicente não foi a única surpresa daquela manhã.

Às 9 horas, horário previsto para o início da cerimônia, pessoas de todas as idades, adultos, jovens, idosos e crianças, e principalmente elas, já se acomodavam às margens da pista para assistir à solenidade. Lá estava aquela brava gente, em uma pequena arquibancada, sentada na calçada ou em pé.

Os olhos fitavam as autoridades na arquibancada em frente à espera do começo do evento, enquanto tremulavam as bandeirinhas do Brasil, que além de ornamentar a avenida, afastavam o calor.

Às 9h30, o prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, juntamente com o comandante da 1ª Brigada de Artilharia Antiaérea, Nelson Santini Junior, e o comandante da Capitania dos Portos do Estado de São Paulo, capitão-de-mar-e-guerra Antonio Sergio Caiado de Alencar, hastearam a bandeira nacional, a do Estado de São Paulo e a de Santos, ao som do hino nacional, conduzido pela Banda do 2º Batalhão de Infantaria Leve do Exército.

Após a execução do hino nacional, veio a segunda surpresa do dia, Lourival Rodrigues Ferreira entoou a marcha ‘Santos Poema’, que se tornou o hino oficial de Santos. Um momento de muita emoção para Lourival, segundo ele, por três motivos.

“É motivo de muito orgulho para mim, primeiro porque hoje é o Dia da Independência do meu País, em segundo por defender o hino da minha cidade natal, e em terceiro lugar, por cantar acompanhado da brilhante banda de Infantaria Leve. Estou muito emocionado. É muito gratificante”.

A terceira surpresa do dia foi a saudação do prefeito João Paulo Papa ao público presente com um “bom dia” em tom informal e alegre. Em seu discurso de abertura, Papa esclareceu porque os alunos da rede pública de ensino não participaram do desfile deste ano.

“Todos os anos, alunos das escolas do Município e do Estado, participam do desfile. Neste ano, tomamos a precaução de preservar as nossas crianças. Evitar qualquer tipo de problema de saúde às crianças”, disse Papa se referindo a prevenção à gripe A (H1N1) — gripe suína.

Papa enalteceu ainda a memória do principal articulador no processo de emancipação política do Brasil, o santista José Bonifácio de Andrada e Silva, que se tornou o patriarca da Independência.

A secretária de Educação de Santos, Suely Maia, disse que os alunos não participaram porque a previsão para ontem era de chuva e também para prevenir surto da Gripe A (H1N1). “Teríamos que fretar 40 ônibus para trazer as crianças e quisemos evitar aglomeração”, afirmou, Suely. Entretanto, a secretária fez uma ressalva.

Suely disse que a Semana da Pátria não passou em branco para os estudantes de Santos. “Os alunos desfilaram na Zona Noroeste, no sábado, dia 29, na festa de comemoração daquela região, e nas escolas durante a semana, eles já haviam se preparado para o desfile de hoje (ontem)”.

“As crianças dão um brilho especial ao desfile, mas não estamos descartando a possibilidade de outro desfile com a participação dos estudantes mais para frente”, comentou a secretária.

Participaram do desfile cívico-militar pela Avenida Bartolomeu de Gusmão, o Conselho Regional dos Corretores de Imóveis (Creci-SP), a Banda da Polícia do Interior-6 (CPI-6), a Guarda Municipal, os jovens do Programa Guardião Cidadão, os veteranos da Força Expedicionária Brasileira (FEB), Exército, Marinha e Aeronáutica, Capitania dos Portos do Estado de São Paulo, 2º Grupamento de Artilharia Antiaérea, Colégio Naval, 2º Batalhão de Infantaria Leve, Base Aérea de Santos, Polícia Militar, Polícia Federal e Corpo de Bombeiros, além das viaturas de todas as corporações.

Outra surpresa do evento foi a passagem de um Ford 1929, conduzido por funcionários da CET-Santos, que chamou a atenção do público por seu design clássico e uma buzina que remetia aos tempos da primeira metade do século XX. Os cães do canil da Guarda Municipal e de outras corporações também foram um show à parte na cerimônia cívico-militar.