Show de Lenine abre Bienal da UNE em Olinda

Antes de subir ao palco, em entrevista , o músico disse que, a cada dia, a cultura depende mais de subsídio do Estado e que isso não é bom.

Comentar
Compartilhar
23 JAN 201314h38

Minutos antes de subir ao palco, na abertura da 8ª Bienal de Arte e Cultura da União Nacional dos Estudantes (UNE), o músico Lenine disse que a cada dia a cultura depende mais de subsídio do Estado e que isso não é bom. "Quando a gente fala em financiar cultura, vai ter que falar em eleger quem tem prioridade. Vai ser sempre dependente de quem organizar isso”, acrescentou.

Em entrevista à Agência Brasil, além de abordar a cultura no país, Lenine falou sobre política - disse não acreditar em partidos políticos - e lembrou o grande homenageado do evento, Luiz Gonzaga, que completaria 100 anos em 2012. Ele lembrou que presta homenagem ao sanfoneiro a toda hora. "Eu faço o tempo todo”.

O cantor e compositor disse ainda que a única maneira que tem de mudar o mundo é tentar melhorar as coisas à sua volta. "Minha música fala mais que qualquer entrevista que eu possa dar”. Para ele, o governo trouxe melhorias em vários campos, especialmente na economia. Ele citou a época em que a moeda desvalorizava em uma única noite. Agora, diz que vê perplexo um Brasil que em vez de pedir emprestado ao Fundo Monetário Internacional (FMI), empresta dinheiro à instituição.

Além de cantor, Lenine é compositor e teve seu som gravado por Elba Ramalho, Fernanda Abreu, O Rappa, Milton Nascimento, Maria Rita, Maria Bethânia e muitos outros. (Foto: Divulgação)

Lenine manifestou satisfação em se apresentar na Bienal da UNE. Disse que de alguma maneira continua jovem e lembrou a época de estudante. “Ao longo da minha vida tive uma parceira, que chamo de "senhora estranheza", que me levava a querer fazer um pouco diferente, ir um pouco mais além. E está cheio de seres estranhos aqui. De alguma maneira, me identifico com isso”.

A 8ª Bienal de Arte e Cultura da UNE é considerada o maior evento estudantil da América Latina e deve reunir em Olinda cerca de 10 mil jovens de todos os estados até sábado (26). O evento inclui debates sobre política estudantil e cultura em mostras de teatro, música, cinema, seminários e apresentações de trabalhos acadêmicos. O tema desta edição é A Volta da Asa Branca, uma homenagem ao centenário de Luiz Gonzaga.