Banner gripe

Programação diversificada marca Semana da Consciência Negra

A agenda de eventos será aberta no dia 13, às 20h, com o espetáculo de dança 'Direitos da criança e do adolescente', do projeto Maré, do Instituto Arte no Dique

Comentar
Compartilhar
10 NOV 201209h30

Dança, mostra cultural, missa, palestras, plantio de árvore e homenagens. É ampla a programação da Semana da Consciência Negra, de 13 a 24 deste mês, numa iniciativa do Conselho Municipal da Comunidade Negra e da Copire (Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e Étnica), com apoio da prefeitura. Um dos pontos altos será a homenagem a Zumbi dos Palmares, considerado o herói da resistência negra, cuja data oficial é dia 20. 

A agenda de eventos será aberta no dia 13, às 20h, com o espetáculo de dança 'Direitos da criança e do adolescente', do projeto Maré, do Instituto Arte no Dique, no Teatro do Sesc (rua Conselheiro Ribas, 136, Aparecida). Haverá participação especial do grupo de percussão infantil da escola de samba União Imperial e da Velha Guarda da X-9. Os convites, gratuitos, podem ser retirados no Sesc. No dia 14, às 15h, o evento será reapresentado no local.
 
Para o dia 18, às 10h, está marcado plantio de árvore sagrada da África, no Jardim Botânico Chico Mendes, no Bom Retiro. Das 13h às 18h, ocorre a 1ª Mostra Cultural de Hip Hop (enfoque na cultura étnica), no Mercado Municipal, pelos integrantes do projeto 'Prazer, meu nome é hip hop'. Às 18h30, será celebrada missa na Paróquia São João Batista, na praça Guadalajara, no Morro da Nova Cintra, para lembrar o aniversário da morte de Zumbi dos Palmares. 

A programação vai até o dia 24. Um dos pontos altos será a homenagem a Zumbi dos Palmares (Foto: Divulgação)
 
Abertura solene
 
No dia 20, às 10h, haverá a abertura solene da Semana da Consciência Negra com deposição de flores no busto de Zumbi, na praça Palmares (canal 4), e presença da banda da Polícia Militar, que vai executar pela primeira vez no município o Hino à Negritude. Depois, haverá apresentação de capoeira, danças cigana e de candomblé. 

Colunas

Contraponto