Músico foge da pandemia e cria 'Xô Corona'

Dio Gramacho trabalha como músico desde os anos 60 e chegou a ser premiado em alguns concursos

Comentar
Compartilhar
25 JAN 2021Por LG Rodrigues07h36
Dio deu os primeiros passos em 1968 em programas de calouros.Foto: Divulgação

Uma série de acasos reunida junto a uma carreira marcada por premiações e participações na televisão levaram um músico do nordeste brasileiro a lançar uma canção muito especial às vésperas do início da vacinação em todas as cidades da Baixada Santista. Batizada de 'Xô, Corona', a música de Dio Gramacho já está disponível para ser ouvida na internet.

Diomédes Gramacho Neto, de 73 anos, tem uma extensa carreira musical. Durante sua trajetória, ele participou de inúmeros programas de calouro e ganhou prêmios enquanto conheceu outros grandes nomes da música popular brasileira. Morando desde abril em São Vicente, ele saiu de Salvador em setembro do ano passado e chegou em São Paulo antes de vir ao litoral.

"Viajei, peguei estrada e vi a situação meio difícil em São Paulo e nesse meio tempo até preparei uma música chamada 'Nunca Mais Brumadinho', um samba que gravei ainda em Salvador e coloquei no meu currículo", afirma.

A carreira dele na música, aliás, se iniciou em Salvador. Dio Gramacho, como ele é conhecido, deu os primeiros passos em 1968, quando já cantava em programas de calouros e chegou a ganhar alguns prêmios importantes em 1970, quando foi escolhido 'Vocalista de Música Popular Brasileira' no Estado.

"O prêmio era gravar um compacto e ganhei com a música 'Casa Caiada', que é meu sucesso, é a minha marca registrada. E esse compacto também não aconteceu logo de cara, ainda fiz Chacrinha, fiz Silvio Santos e na época o Raul Gil tinha um programa na Record e ele gostou muito de 'Casa Caiada'. Eu tava pra ser mandado embora da gravadora quando isso aconteceu", afirma.

Ao saber que a música dele havia estourado no Amazonas, ele viajou pela primeira vez de avião para o norte do Brasil e, ao relembrar a passagem pelo local durante seus tempos de juventude, lamentou os últimos acontecimentos no Estado durante a pandemia do novo coronavírus.

Nesse meio tempo, Dio rodou por várias estradas, mas sem nunca deixar a música para trás e passou por várias cidades do nordeste brasileiro, Rio de Janeiro e São Paulo.

"Eu estava na Capital com minha filha e ela tá com o marido em São Paulo há pelo menos um ano. Ela me deu hospedagem durante o Natal, mas quando a pandemia começou a ficar perigosa eu já estava na rua e fiquei com medo de levar o vírus pra dentro da casa deles".

Na sequência, ele ficou hospedado na Capital, mas afirmou que não se sentiu bem no local e decidiu vir embora para São Vicente. Foi quando finalmente chegou à Baixada Santista que o cantor afirmou ter passado pelo momento que o deixou tão fragilizado e ao mesmo tempo tão inspirado.

"Eu tava na Praça 22 de Janeiro, em São Vicente, me sentei em um banco e me senti muito mal, muito mal, fiquei com a visão turva, senti algo muito estranho e aí a música me veio à cabeça e comecei a pensar: 'Xô Corona, me deixem em paz, xô Corona, sou novo de mais'. E aí nasceu. Subi correndo pra São Paulo, conversei com um amigo meu e ele falou 'Vamos gravar isso pelo amor de Deus' e da noite pro dia, gravei", explica.

O músico afirma que a recepção do forró tem sido a melhor possível e agora está trabalhando para tentar obter o máximo de repercussão possível. Ele explica que mesmo com a chegada da vacina, a sua composição ainda deverá seguir fazendo sucesso por bastante tempo, ainda mais agora que a própria doença começa a dar sinais de que pode estar indo embora de forma definitiva.

ONDE OUVIR?

Para quem ainda não conhece o trabalho e quer conferir a composição do músico, todos os dados dele, incluindo canal de Youtube, podem ser conferidos no Instagram, cujo perfil é o @dio_gramacho_oficial