Mostra Querô São Vicente estreia sábado (12), nas oficinas culturais

Parceria da Secretaria da Cultura com o Instituto Querô terá 12 filmes, sempre às 15h

Comentar
Compartilhar
09 ABR 201412h27

Doze filmes produzidos por jovens capacitados pelo Instituto Querô, entre 2006 ne 2013, em Santos, vão ser exibidos nas Oficinas Culturais da Secretaria da Cultura de São Vicente, a partir do próximo sábado (12). Durante três fins de semana, gratuitamente, sempre com sessões a partir das 15h, interessados em cinema e linguagem audiovisual terão contato com produtores e diretores, falando sobre suas realizações.

A ideia é estimular jovens a construir um novo futuro por meio do audiovisual, popularizando o acesso a curtas-metragens produzidos na região. A proposta inclui o incentivo à formação de novos produtores na Cidade, já que o segmento audiovisual também está nos planos da Secult. As Oficinas Culturais funcionam na Rua Tenente Durval do Amaral, 72 (continuidade da Rua Ipiranga), no Catiapoã

Programa - Neste sábado, a programação da Mostra Querô está assim: "Bingo", que mostra um dia na vida de Nelson, um jovem senhor que não deixa a idade desanimar o seu coração; "Missão Estelar", que fala da beleza dos sonhos infantis, contando a história de Pedro, um garoto de sete anos que quer arrecadar dinheiro para uma viagem à Lua; "Ulisses", que passa seus dias entre ruas e bares, refletindo sobre os motivos que levaram sua mulher a deixá-lo; e "Visão Privilegiada", uma forma diferente de olhar a vida, a partir de pais que registram momentos de uma criança de três anos.

Estarão presentes a diretora e produtora Jéssica Lopes (responsável pelos três primeiros curtas), além das diretoras Maria Paula Rodrigues e Kamilli Semenov (Visão Privilegiada).

O filme

Querô

O Instituto teve origem em 2004, a partir da seleção para o elenco jovem do longa "Querô", feita na região portuária de Santos, pela equipe do cineasta Carlos Cortez e a produtora Gullane. Os 40 jovens selecionados foram depois capacitados, surgindo daí o embrião das Oficinas Querô. Após as filmagens, com os talentos descobertos, a Gullane Filmes, junto ao UNICEF, desenvolveu um projeto de continuidade, criando-se então o Instituto Querô.