Itanhaense é único músico brasileiro a entrar em escola de Londres

Ao longo de uma carreira de dez anos, o jovem já foi premiado em diversos concursos.

Comentar
Compartilhar
01 FEV 201315h47

Há tempos que a música corre nas veias de Plínio Fernandes, de 18 anos, que desde cedo dedica seis horas de seu dia para estudar e praticar os acordes do violão. O resultado de tanta dedicação deu ao violonista de Itanhaém uma vaga na Royal Academy of Music, em Londres.

De malas prontas para o curso de graduação em música, Plínio é o único brasileiro deste ano a receber a carta assinada pela direção da escola de Londres, que é disputada por estudantes de todo o mundo. As aulas iniciam em setembro e o músico afirma que conseguir uma vaga é tão concorrido quanto entrar numa faculdade pública de medicina.

O reconhecimento do trabalho do jovem deixou sua família contente e ser o único a representar o Brasil no curso é uma responsabilidade para poucos. “Fiz um vídeo no ano passado e enviei à escola com a esperança de conseguir a vaga, mas receber a carta de aprovação me deixou sem palavras. Vou para a Europa”.

Plínio Fernandes toca desde os oito anos de idade e, recentemente, tocou no Masp (Foto: Divulgação)

A experiência com a música vem desde os oito anos, quando iniciou os estudos com o professor Eduardo Martinelli, atual maestro da orquestra sinfônica de Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Recentemente se apresentou no Museu de Arte de São Paulo (Masp), após concorrer com mais de 100 artistas de todo o Brasil.

“Conseguir essa vaga é um incentivo para os demais que sonham com essa oportunidade. É gratificante ser o único deste ano a ter a chance”, ressalta Plínio. Ao longo de uma carreira de dez anos, o jovem foi premiado em diversos concursos, são eles: Musicalis (2002 e 2010), Souza Lima (2003 e 2005) e Conservatório Villa Lobos – Fito (2010).