Instituto Querô revela novos talentos na produção de filmes

Ao longo de oito anos, o Instituto Querô, que tem parceria com a Prefeitura, Sesc e Unisantos, capacitou mais de 300 jovens em produções audiovisuais.

Comentar
Compartilhar
12 DEZ 201313h14

Eles ainda são aprendizes mas já podem ser considerados jovens cineastas. Pelo menos, é assim, que o grupo de 30 alunos (13 a 17 anos) do Instituto Querô se imaginou ao assistir aos quatro curta-metragens, produzidos por eles e projetados na tela do Cine Roxy, na noite de terça-feira. Além da formatura do curso, o evento serviu com uma espécie de avant-premiére, levando um bom público ao cinema. A iniciativa também contou com homenagens aos patrocinadores.

As produções foram fruto de um ano de estudos sobre a “ Sétima Arte”, período em que aprenderam roteiro, produção e direção, entre outras técnicas, além das aulas de cidadania. Três documentários foram exibidos: “Máquina do Tempo” (sobre a vida dos motorneiros dos antigos bondes), “Visão privilegiada” (sobre um casal de deficientes visuais) e “Vento em Popa” (sobre dois velejadores da região), além do curta “Tiros”, que aborda a história de uma professora e três alunos confinados em uma sala de aula durante um atentado.

As produções foram fruto de um ano de estudos sobre a “ Sétima Arte”, período em que aprenderam roteiro, produção e direção, entre outras técnicas, além das aulas de cidadania

Ao longo dos seus oito anos, o Instituto Querô, que tem parceria com a Prefeitura, Sesc e Unisantos, já capacitou mais de 300 jovens em produções audiovisuais. “Muitos já estão inseridos no mercado de trabalho e se destacaram ganhando prêmios. O curso possibilita que possam atuar como assistentes de direção, produção, roteiro, som, maquiagem e outras funções em vários setores da área de comunicação”, explica Claudio Maneja, diretor da instituição.

O secretário de cultura, Raul Cristiano Sanchez, que representou o prefeito Paulo Alexandre Barbosa, ressaltou que além da satisfação de ver novos talentos surgirem em nossa região, “eles também contribuem para a formação de uma nova geração de público no cinema”.

Foto: Raimundo Rosa