Artista autodidata da Região já tem 200 pinturas

Vladimir Lordi começou sua história com tintas e telas.

Comentar
Compartilhar
24 AGO 2019Por LG Rodrigues08h15
Ao todo, acervo de Vladimir Lordi já conta com mais de 200 pinturas abstratas que foram criadas pelo artista desde o ano de 2001.Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

Nos quadros, pinceladas coloridas cheias de significados e que hipnotizam, mesmo que momentaneamente, todos aqueles que topam com as obras. Já no pincel, movimentos precisos e criativos da mente de um pintor daqui da Região que aprendeu praticamente a ser artista por conta própria e que já conta com um acervo de dar inveja a muitos profissionais de longa data.

O nome dele mesmo já é de um verdadeiro mestre dessa arte, nascida ainda em tempos pré-históricos e que é tão associada a verdadeiras obras primas dos séculos XVI e XIX. Vladimir Lordi já vive na Baixada Santista há 30 anos, mas a história dele com tintas e telas começou há muito mais tempo.

"Eu comecei tudo como um hobby, me interessei e isso virou minha atividade para passar o tempo. Depois disso, comecei a frequentar o ateliê do Nivaldo Damy Inforzato, que é um pintor renomado daqui de Santos. Ele é um profissional que pintou e vendeu muitos quadros na Europa, na Ásia, até venceu Bienais e me interessei ainda mais. A partir do momento em que ele começou a gostar do meu trabalho me deu um incentivo também", explica Vladimir.

Apesar disso, as obras que começaram a ser criadas pelo artista em 2001 só iniciaram suas aventuras por exposições Brasil afora em 2016, mas ele afirma que a recepção tem sido uma das melhores possíveis. Hoje convidado para expor em várias cidades da Baixada Santista, Vladimir tem uma característica que chama a atenção e surpreende quem conhece seu trabalho: ele é autodidata.

"Na arte abstrata eu realmente sou autodidata. Alguns trabalhos acadêmicos que fiz no ateliê foram exercícios de aula em que tive acompanhamento de meu mestre, mas muito do que aprendi na teoria me serviu de embasamento para o abstrato, embora eu nem sempre use porque gosto de fazer trabalhos meio malucos. Mais de 90% do meu trabalho é de fato abstrato, que é o que compõe a maior parte das minhas exposições".

Ele afirma que tem planos para um dia trabalhar com obras que remetam ao paisagismo e que exijam mais do que suas habilidades de autodidata, mas diz que no momento está focado em sua arte abstrata. Vladimir afirma que o processo de aprendizado por conta própria não foi tão difícil e acredita que hoje já esteja em uma fase de sua carreira em que é mais criterioso com o que faz do que no passado.

"Já pintei mais de 200 obras e em alguns anos foi possível ver uma mudança bem drástica. Houve um período de três anos, nesse meio tempo, em que parei, não conseguia fazer nada, mas é algo normal, até conversei com alguns colegas artistas que me recomendaram não forçar nada porque o público talvez até gostasse de minhas obras, mas eu mesmo não ficaria tão satisfeito assim".

O período afastado das telas e das tintas acabou gerando um momento de trabalho intenso para Vladimir quando sua inspiração retornou, porque ele afirma que seu acervo praticamente triplicou desde 2017. Hoje, ele é um dos artistas da região com um dos maiores números de pinturas abstratas.

"Eu gosto da ideia de forçar esse entendimento da obra e o interessante é que cada um tem uma concepção diferente do quadro, tem gente que enxerga coisas na pintura que nem o artista percebeu e é muito gostoso isso. O abstrato é tudo aquilo que vai além da figura em si própria, o abstrato aguça a intuição de quem está apreciando o que foi concebido."

Até hoje, Vladimir já expôs seus quadros em pouco mais de dez mostras individuais e coletivas, mas o futuro é promissor, porque de agosto até dezembro de 2019, outras seis já estão marcadas. Atualmente, o artista divide suas atenções entre duas exposições simultâneas e seus quadros também estão à venda.

"O artista que quer viver de arte não pode se apegar. Eu não tenho um apelo comercial, mas ao mesmo tempo todas as minhas obras estão à venda", explica.

E para quem pensa em seguir os passos, ou melhor, as pinceladas da vida de quem imprime arte diretamente em telas, Vladimir aconselha a colocar o sentimento nas suas primeiras obras e deixar o lado comercial para um ponto em que a própria pessoa perceba que já está pronta para expor.

"Não é legal forçar a barra no começo da carreira, porque tudo acaba vindo naturalmente. Pintei mais de 200 obras e apenas de três anos para cá eu decidi comercializar, o artista tem que primeiro aprender a gostar do que faz".

Quem quiser conferir alguns dos trabalhos deste artista da nossa região que está em mais do que ascensão, há uma exposição aberta atualmente. A mostra fica no Espaço Cultural Vereador Alberto Marques, na Câmara Municipal de Guarujá, localizada na Avenida Leomil, 291, no bairro Pitangueiras. A exposição ficará até o dia 6 de setembro no local, que fica aberto de segunda a sexta, das 9h às 17h. A classificação etária é livre para todas as idades e a visitação é gratuita.

Colunas

Contraponto