'A Festa de Itanhaém era a maior na Região'

Dona Therezinha Gatto, uma das devotas mais antigas da cidade, relembra as celebrações para Nossa Senhora da Conceição.

Comentar
Compartilhar
08 DEZ 2019Por Nayara Martins10h28
Considerada a mais tradicional na cidade, a Festa Nossa Senhora da Conceição, em homenagem à padroeira de Itanhaém, já começou em 29 de novembro com novenas, na Igreja Matriz de Sant´Anna, no centro histórico da cidade.Foto: RODRIGO MONTALDI/ARQUIVO/DIÁRIO DO LITORAL

Considerada a mais tradicional na cidade, a Festa Nossa Senhora da Conceição, em homenagem à padroeira de Itanhaém, já começou em 29 de novembro com novenas, na Igreja Matriz de Sant´Anna, no centro histórico. O Dia da Padroeira, com missas e a procissão de fieis, é celebrado neste domingo, 8 de dezembro.

"A Festa da Nossa Senhora da Conceição era a maior na região". A afirmação é de uma das devotas mais antigas no município, a professora aposentada Therezinha de Jesus Gatto dos Santos, de 90 anos. Ela relembra os momentos mais marcantes em louvor à padroeira da Cidade.

De família católica, ela sempre participou das festas religiosas que aconteciam em Itanhaém. "Vim de Iguape para morar aqui aos nove anos. Desde criança já participava das celebrações religiosas. Fui uma das filhas de Maria e, depois do casamento, fazia parte da Irmandade Nossa Senhora da Conceição".

Sempre dedicada à padroeira, dona Therezinha conta que a organização dos festejos começava no mês de agosto e cada um era responsável por uma tarefa. "A imagem legítima da santa ficava no Convento Nossa Senhora da Conceição e só saía de lá para participar da procissão".

A programação começava dia 29 de novembro, com as novenas que seguiam até 7 de dezembro, no Convento. A divulgação se iniciava em outubro, nos comércios e nas casas dos moradores. Todos sabiam antes a programação da Festa.

"Para anunciar o começo da Festa, no primeiro dia da novena, às 5 horas, acontecia a alvorada com os fogos e ao som da Banda Municipal", explica a devota.

A primeira missa às 7 horas tinha a participação da comunidade, no Convento. Já o início da novena acontecia às 19 horas no mesmo local. "Todos os devotos subiam a ladeira do Convento, sem reclamar, era a coisa mais linda".

Na época, a decoração do altar era feita com dúzias de palmas brancas. "Nós íamos comprar as flores em Santos, de trem, pois não havia floricultura e nem estrada de rodagem na cidade", conta.

"Nossa Senhora da Conceição era vestida com dois mantos na cor azul, um para a novena e outro para o dia da Festa, confeccionados pela irmã Carolina", lembra.

Cada dia da novena tinha um pregador diferente. "Nós cantávamos a jaculatória - canto em louvor à santa, e a pregação falava sobre a vida de Nossa Senhora. O coral vinha de Santos, ao som de violinos e violoncelo. A regência ficava por conta do maestro Totó Mendes, de Itanhaém".

FÉ E DEVOÇÃO

Antigamente, a Festa era muito prestigiada por moradores de Itanhaém e de outras localidades. "Toda a população se preparava para o grande Dia da Padroeira e vários peregrinos vinham de Itariri, Peruíbe, Mongaguá". O bispo de Santos também marcava presença no dia 8 de dezembro.

Neste dia, os moradores acordavam ao som da Banda Municipal e a alvorada às 5 horas. A missa solene em homenagem à Nossa Senhora da Conceição acontecia às 10 horas, no Convento.

"Após a missa, ao descer e chegar no Cruzeiro, o prefeito fazia uma entrega simbólica da cidade à imagem de Nossa Senhora", destaca.

A procissão começava às 18 horas, momento em que a imagem descia a rampa do convento e os fieis seguiam o cortejo pelo Centro Histórico até a rua Cesário Bastos.

Na volta, a imagem subia novamente ao Convento. "Ao chegar lá, o padre fazia a Benção do Santíssimo e os devotos agradeciam emocionados, encerrando a Festa".

Na opinião da devota hoje muita coisa mudou, até as celebrações religiosas não acontecem como antes. O Convento segue fechado ao público devido às obras de restauração.

Dona Therezinha garante "apesar de não poder mais ajudar na organização, vou prestigiar a missa solene, na Igreja Nossa Senhora da Conceição, neste domingo".

PROCISSÃO E MISSAS

A programação da Festa da Nossa Senhora da Conceição iniciou com a visita da imagem nas paróquias e as novenas que seguiram até sábado na Igreja Matriz de Sant´Anna, no centro histórico.

Também no sábado aconteceu uma palestra com o monge Dom João Batista, do Mosteiro de São Bento, da Capital. O tema foi "A devoção à Nossa Senhora da Conceição no Brasil", na Matriz.

Hoje, Dia da Padroeira, haverá missa às 8 horas na Igreja Matriz, e às 10 horas, na Igreja Nossa Senhora da Conceição. Ao meio dia, tem um almoço no Centro Comunitário.

O ponto alto da Festa é a missa solene às 17 horas, na Igreja Nossa Senhora da Conceição e, logo após, a procissão luminosa com a imagem seguindo em direção à Igreja Matriz. O encerramento será às 19h30, na Matriz.

À noite, acontece a abertura de uma exposição com acervo de 182 peças de roupas religiosas antigas, trazidas por meio do Proac. A exposição pode ser vista no Museu Conceição de Itanhaém, até fevereiro.

Felipe Moscatelo, provedor da Irmandade Nossa Senhora da Conceição, conta que a imagem chegou em 8 de dezembro de 1560, na então Vila Conceição de Itanhaém.

"É a imagem mariana mais antiga do Brasil. A celebração existe desde antes da criação da Paróquia. Buscamos manter essa tradição religiosa tão importante para a cidade", conclui.