GOVERNO 3

Quase seis mil crianças estão sem creche na Baixada Santista

Guarujá lidera a lista. Praia Grande e Itanhaém vêm logo depois. Juntas, precisam abrir 3.921 vagas para suprir a demanda

Comentar
Compartilhar
17 SET 2019Por Carlos Ratton07h00
Em São Paulo, o prefeito Bruno Covas terá de abrir aos menos 65 vagas por dia para cumprir a meta que é de 85,5 mil criançasFoto: Nair Bueno/DL

A Baixada Santista está com um déficit de 5.876 vagas de creches, causando um verdadeiro martírio a milhares de mães e pais que precisam de vagas para os filhos de zero a três anos para poder trabalhar. Os municípios mais prejudicados são Guarujá (1.500 vagas) e Praia Grande (1.421 vagas). Itanhaém tem um déficit de mil vagas. O restante segue da seguinte forma: Mongaguá 612; Bertioga 450; Peruíbe 392; Santos 205 vagas; São Vicente 200 e Cubatão 96 vagas.

Em Guarujá, a Secretaria de Educação, Esporte e Lazer (Sedel) informa que foram ampliados convênios com organizações da sociedade civil (OSC) e, até o momento, foram criadas aproximadamente mil vagas para atender crianças entre quatro meses e três anos, diminuindo o cadastro de espera. Atualmente são atendidas 5.225 crianças em creches municipais e conveniadas.

A Prefeitura de Praia Grande informa, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), que existem 873 vagas disponíveis em unidades de ensino localizada em setores de menor demanda. A cada ano, a procura manifestada de crianças oriundas de outros municípios/estados aumenta consideravelmente uma vez que a população da Cidade cresce, em média, oito mil novos habitantes/ano. Para o primeiro semestre de 2020, a Secretaria irá entregar mais duas novas escolas, além da ampliação de uma para Educação Infantil o que vai gerar mais de 800 novas vagas.

Itanhaém tem uma espera de mil vagas, mas garante que a lista será zerada ano que vem. Salienta que a demanda é continuada devido a uma série de fatores (natalidade, novos moradores, etc). No momento, 2.387 crianças estão matriculadas nas creches.

Outros municípios

Mongaguá, quarto em déficit de vagas (612), explica que atende 956 crianças e as inscrições são feitas diariamente. A principal dificuldade encontrada é em relação ao atendimento ser em período integral, pois a criança passa o dia inteiro na unidade, diferente de escola onde o período é parcial e se consegue atender o dobro de alunos, ou seja, dois períodos com turmas diferentes.

Bertioga, quinto município com 450 crianças na lista de espera, revela que a taxa de natalidade é crescente, fazendo com que a demanda por creches e escolas aumente ano a ano. Um outro aspecto é que cerca de 95% da área da Cidade é de preservação ambiental, requerendo licenciamento ambiental para ocupação, o que aumenta o tempo entre projetar e construir uma unidade nova de escola ou creche. Poucas entidades não governamentais são credenciadas para parcerias e o Município está assinando convênio com o Governo do Estado para a construção de duas novas creches, que atenderão cerca de 300 crianças.

Em Peruíbe, o déficit é de 392 crianças em busca de vaga. Desde 2017, a Secretaria de Educação empenha esforços para ampliação da rede física, com entrega de novas unidades escolares. Para o ano de 2020, a previsão é ofertar aproximadamente 200 novas vagas.

A Secretaria de Educação informa que atualmente são oferecidas 4.105 vagas em unidades municipais de educação que atendem alunos de zero a três anos, mas o déficit é de 205 crianças. No entanto, existem 325 vagas disponíveis em outras regiões da cidade, mas que não atendem à preferência dos munícipes que aguardam na lista de espera. A Secretaria esclarece que, buscando atender as regiões de maior déficit de vagas, serão entregues três novas unidades no próximo ano letivo.

A Prefeitura de São Vicente, por meio da Secretaria de Educação (Seduc), informa que a rede municipal atende 11 mil alunos de zero a cinco anos, matriculados em 62 creches e 31 escolas de Educação Infantil. No momento, há 200 crianças aguardando vaga. Em outubro, a Seduc vai inaugurar mais duas creches com capacidade de atendimento de 150 crianças cada: uma na Área Continental e outra na Área Insular.

Atualmente com 96 crianças que aguardam vaga, Cubatão acredita que irá reduzir os números pois uma nova unidade conveniada, situada no Parque São Luiz, começará neste mês a receber estas crianças e outras unidades conveniadas estão sendo pleiteadas. A Prefeitura atualmente oferece 3.169 vagas.

Capital

O prefeito Bruno Covas (PSDB) terá de abrir ao menos 65 vagas em creches por dia para cumprir a meta de colocar 85,5 mil crianças nas instituições municipais até o fim de 2020. A promessa foi feita ainda sob a administração de João Doria (PSDB), hoje governador do Estado. A informação é do jornal Folha de São Paulo.

Em março passado, 34.317 crianças de zero a três anos aguardavam vagas nos CEIs (Centros Educação Infantil) e outras 330.026 estavam matriculadas. No fim de junho, a fila passou para 48.910 crianças, com 333.876 matrículas. Em março de 2018, a demanda do município era de 57.819 vagas com 309.854 matriculados. No fim de junho do mesmo ano, a fila passou para 66.714 crianças com 313.598 matrículas. Em junho, a Secretaria Municipal de Educação e a Defensoria Pública assinaram um termo de cooperação para tentar reduzir a "fila paralela".

Colunas

Contraponto