X

Deu a palavra

"Em 10 anos, Cubatão não terá mais favelas", garante Ademário

Em entrevista ao Diário do Litoral, o prefeito falou sobre as obras que estão em andamento e o que o futuro reserva à Cidade

Luana Fernandes

Publicado em 09/04/2024 às 07:30

Atualizado em 09/04/2024 às 09:26

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Ademário de Oliveira, prefeito de Cubatão, durante entrevista ao Diário do Litoral / Igor de Paiva / Diário do Litoral

Para o prefeito Ademário Oliveira, Cubatão não é mais a mesma. As obras que são executadas em várias frentes são a resposta para o que tem sido feito para que o desenvolvimento do Município fique evidente. Para ele, o fim do déficit habitacional é iminente, o que deve transformar a Cidade nos próximos anos.

Siga as notícias do Diário do Litoral no Google Notícias

Foi com ar otimista que o chefe do Executivo cubatense falou à reportagem do Diário do Litoral sobre os 75 anos de emancipação política-administrativa da Cidade. Em seu último ano de mandato, Ademário levanta execuções importantes de seu governo e acredita que estas ações renderão bons frutos futuramente. Confira.

Diário do Litoral - A cidade está em festa. Temos programação até o próximo mês. É isso mesmo, prefeito?

Ademário Oliveira - O que nós estamos fazendo hoje, com esta extensa programação de entretenimento, é justamente porque nós fizemos a lição de casa com responsabilidade fiscal, o que hoje nos permite proporcionar legitimamente um pouco de entretenimento para os nossos cidadãos cubatenses. As pessoas perguntam porque escolhemos o Casqueiro para o show do Fábio Jr. É para divulgarmos o bairro. O Píer é um equipamento bonito. Eu não esperava que este equipamento tomasse essa proporção. Na verdade, vendendo o Casqueiro como ponto turístico.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Diário do Litoral - Por falar no Casqueiro, como estão as obras do Parque Linear? Terá alguma entrega nos próximos dias?

Ademário - Nós tínhamos uma expectativa de que a fonte interativa ficaria pronta até o dia 9, mas parece que por conta das chuvas eles não vão conseguir entregar. Mas o circuito cardiológico devemos entregar em abril. Também devemos fazer outra pista de skate, que é para outro público, ao lado do circuito. Também deve ter entrega na Ilha Caraguatá. O Parque Linear nasce na entrada da Ilha Caraguatá e morre na Ponte Nova. Então, lá na Ilha a gente entrega a quadra esportiva e uma praça muito parecida com a Praça Independência.

Diário do Litoral - Durante o início do mês, os moradores do Jardim Casqueiro reclamaram por conta da derrubada de árvores na Rua das Torres. O que o senhor tem a falar sobre este assunto?

Ademário - Ali é uma concessão federal. A concessionária tem suas contrapartidas e, uma delas, é a zeladoria por toda a extensão. As árvores foram plantadas há 40 anos. Obviamente, eles não podem sair cortando. Então o que coube à Prefeitura foi catalogar os tipos para poder exigir do ponto de vista legal que se tirasse uma planta exótica, plantaria uma nativa. Se tirar uma planta nativa, planta dez nativas. É só o que me cabe. Não posso impedi-los, assim como não posso impedir a Ecovias de construir um viaduto. Cada um tem as suas competências.

Diário do Litoral - E em relação à greve dos professores? Quais as tratativas?

Ademário - Está no portal da transparência. Cubatão é a cidade que melhor remunera os professores. Isso é fato. Não são falácias. Agora tem um sindicato com pessoas que não tem nenhum comprometimento com os cidadãos ou em tomar conta das nossas crianças. Greve é legítima, mas não na intensidade que acontece em Cubatão. O que se justifica? Você tem o melhor salário da Região e a cidade tem essa intensidade de greve. Para você ter uma ideia, como não é legítima essa greve, o dissídio é em maio. Eu não posso dar, em ano eleitoral, nenhum aumento real. Pensando nisso, eu antecipei por lei para poder dar o aumento real. Eu já dei 5%. E acho que eu dei um tiro no pé. Se eu soubesse que eles utilizariam este aumento para fomentar a greve, não teria dado. Mas aí também não é justo que os outros servidores paguem pela irresponsabilidade do sindicato.

Diário do Litoral - Você está no último ano de mandato quando Cubatão celebra 75 anos. É uma data significativa. A sensação é de dever cumprido?

Ademário - Eu posso assegurar. Nós cumprimos 100% do nosso plano de governo - Bom Prato, Poupatempo, AME. Nós colocamos em prática o plano de resgatar a Saúde e a Educação. Tem falhas, têm. Mas eu diria, hoje, que são pontuais. Eu peguei, das 52 escolas, 38 com recomendação de interdição do Ministério Público. Eu puxei a folha de 54 para 19 e sem tirar absolutamente nada. É direito, não se tira direito. O que se tira são os acessos de benefícios e privilégios que não comportavam mais. Quando nós éramos 2% do PIB nacional, na década de 80, concederam, mas assim, de uma maneira muito irresponsável. Porque os agentes políticos da época utilizavam a própria Prefeitura como cabo eleitoral. Nós repaginamos um PIB de dívidas, estamos aí hoje com os cofres saneados, com a responsabilidade, fornecedores pagos em dia, servidores pagos em dia. A cidade de Cubatão passa por um momento único de transformação. E nós vamos continuar seguindo, trabalhando dessa forma, porque só através do trabalho que você tem resultado. Nós fomos avançando, trabalhando, e as pessoas conseguiram compreender.

Diário do Litoral - Podemos dizer que a Cidade estará transformada nos próximos 10 anos?

Ademário - Eu não falo isso por conveniência e oportunidade, não. Em 10 anos, Cubatão não terá mais favelas. Se não tivermos o interrompimento das políticas públicas que nós criamos, Cubatão será a primeira cidade da Baixada Santista a zerar o déficit habitacional. E falo isso com muita tranquilidade, porque eu vivi isso. Hoje nós estamos com os projetos da Vila Esperança e da Vila dos Pescadores, que é consolidação. A comunidade da Mantiqueira vai para o Costa e Silva, já com as obras iniciadas. A Água Fria vai para a Ilha Caraguatá. Então, hoje, quando a gente fala que Cubatão será uma nova cidade, nós falamos com muita, mas com muita propriedade. Eu não falo de continuísmo, eu falo de continuidade das políticas públicas. Eu não tenho nenhuma dúvida que em 10 anos, Cubatão vai ter um salto significativo.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Nacional

Conheça o novo vírus mayaro, que provoca febre, dores e pode chegar na área urbana

Cientistas da Unicamp, USP, Imperial College de Londres e Universidade de Kentucky (EUA) pedem medidas urgentes de vigilância epidemiológica a fim de evitar avanço da doença

Santos

Restaurante e patrimônio gastronômico de Santos, Sideral completa 60 anos

Localizado no número 562 da Avenida Francisco Glicério, o hoje restaurante foi fundado originalmente na Rodrigues Alves

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter