Yes, nós temos banana por dúzia

Em vigor desde setembro, lei que pesa no bolso do consumidor não pega nas feiras livres

Comentar
Compartilhar
03 FEV 201321h47

Na balança, duas dúzias de banana e mais um chorinho custam R$ 5,60, mas o estivador Vanderlei Aparecido dos Santos Junior levou 26 bananas — 3,7 kg —, por R$ 3. “Eu tenho três filhos e compro banana toda semana, se tiver que comprar por quilo vou comprar menos porque o preço não compensa”, afirma o consumidor, complementando que a família consome duas dúzias em uma semana. Vanderlei pediu ao feirante que pesasse a sacola para comparar o preço da banana por quilo e por dúzia. 

Na feira livre prevalece a lei da oferta e da procura, ou seja, venda por dúzia e não por peso. Cliente quer comprar banana “ao preço de banana” e, por isso, feirantes afirmam que ao cumprirem a lei estadual 13.174/2008, em vigor desde o dia 16 de setembro, tiveram prejuízo.

“As vendas caíram pela metade nos primeiros 15 dias em que a lei começou a valer”, afirma José Martins. “Tive prejuízo nos primeiros 15 dias, metade de 30 caixas encalhou e as bananas foram para o lixo”, comenta o feirante Ezequiel Gomes. De acordo com Ezequiel cada caixa tem em torno de 20 dúzias de bananas. 

“Banana é a fruta mais consumida lá em casa. Se comprar por quilo a gente sai no prejuízo porque vem menos banana. Em vez de uma dúzia e um chorinho a gente leva de 7 a 8 bananas”, diz a dona de casa Terezinha de Jesus Santos da Silva.

“Estou levando 16 bananas Nanica por R$ 1,50. Se eu comprasse por quilo pagaria de R$ 2 a R$ 3 em 8 ou 9 bananas, não compensa”, afirma a dona de casa Romilda Toledo Mendes, que saboreava uma banana quando foi abordada pela reportagem.

A venda na bacia ainda é mais vantajosa para o consumidor. O padeiro Raimundo de Oliveira saiu da barraca com 20 bananas. ”Eu compro toda quarta-feira, e em grande quantidade pra fazer vitamina, doce”.

Na banca de Claiton Silvano, consumidoras compravam a fruta por dúzia e na bacia. “Ninguém compra por quilo e eu vendo tanto a dúzia da Nanica quanto a bacia, por R$ 1”.

José Martins afirma que a lei não beneficia nem o cliente, nem o feirante. “Ninguém compra por quilo. Se vender por quilo o freguês vai embora”. Porém, a lei atende à reivindicação dos produtores do Estado de São Paulo. Em princípio, a lei regulamenta e padroniza a comercialização da banana “in natura”. Até então a fruta era vendida em caixas de 21 kg, sem um controle da quantidade do produto na caixa.

Recentemente, a Associação dos Bananicultores do Vale do Ribeira (Abavar) estimou que os prejuízos chegam a R$ 50 milhões por ano para os produtores. A produção da banana é responsável por 80% da economia do Vale do Ribeira.