Votação para criação de cargos é adiada por falta de quorum

A sessão extraordinária convocada para as 10 horas de ontem, na Câmara de Itanhaém, foi encerrada sem a votação dos projetos por falta de quorum

Comentar
Compartilhar
24 JAN 201323h40

Apenas cinco dos dez vereadores da Casa compareceram ao plenário. Para a ordem do dia de ontem estavam pautados o Projeto de Lei Complementar 9/2009 que dispõe sobre a criação de cargos no Legislativo e o Projeto de Resolução 17/2009 que altera o dia das sessões da Câmara de segunda para quarta-feira. As sessões ordinárias da Câmara acontecem sempre às segundas-feiras, a partir das 18 horas.

O PLC 9/2009 cria o cargo de assessor jurídico da Presidência (salário inicial de R$ 3 mil), e uma Divisão Administrativa composta por um diretor administrativo (R$ 4 mil), um auxiliar administrativo (R$ 2.500), um técnico administrativo (R$ 3 mil) e três assessores legislativos (R$ 2.200).

O projeto transforma ainda cargos de função gratificada em cargos comissionados. São eles: assessor especial da Presidência, assessor parlamentar, chefe de gabinete da Presidência, chefe de gabinete dos vereadores, diretor de Comunicação Social, diretor de Finanças, diretor de Patrimônio e Suprimentos, diretor de Expediente, diretor do Processo Legislativo, diretor administrativo, procurador geral da Câmara, assessor legislativo e assessor jurídico da Presidência. Os salários variam de R$ 2.200 a R$ 7 mil.  

Ambos os projetos estavam pautados para primeira discussão e votação. Segundo informações do assessor de imprensa de um dos vereadores presentes à sessão, ainda não há uma nova data para apreciação das proposituras.

Atenderam à convocação para a sessão extraordinária os vereadores Cícero Cassimiro Domingos, o Kakulé (PTB); Milton Saldiba P. de Campos Junior, o Milton Gordo (PTB); Alexandre Firmino Alves, o Alexandre da Regional (PSDB); Flávio da Cruz Abbasi (PSDB) e José Renato Costa de Oliva (PSDB).