Vizinhos reclamam de caramujo e lixo em terreno terreno no Campo Grande

Local abriga escombros de demolição e moradores de rua. Prefeitura de Santos diz que tomará providências ainda hoje

Comentar
Compartilhar
27 FEV 201511h14

Há pelo menos seis meses, um terreno na Rua Visconde de Farias, no Campo Grande, em Santos, vem causando transtornos à vizinhança. A casa que havia no local foi demolida. Sobraram escombros, ratos, baratas, mosquitos e caramujos africanos. Os moradores do entorno dizem que já relataram o problema à Prefeitura, mas até hoje não tiveram retorno.

“Quando chove o muro fica cheio de caramujo africano. Como o terreno é aberto, o pessoal vem e joga lixo. Na casa da vizinha está entrando rato. Não aguentamos mais tanta barata e mosquito”, disse uma das moradoras que não quis se identificar. A Reportagem esteve no local e constatou a situação. Há, inclusive, possíveis criadouros do mosquito da dengue.

Segundo a moradora, durante a noite o local é utilizado por moradores de rua e usuários de drogas. “Fica um cheiro horrível de urina e de fezes. Não aguentamos mais. Tenho fotos de como fica isso aqui depois da chuva. O muro quase nem dá para se ver de tanto caramujo africano”, destacou.

O vereador Antonio Carlos Joaquim Banha (PMDB) encaminhou diversas vezes ao Executivo requerimento solicitando providências em relação ao terreno. O último documento, apresentado no dia 23 de fevereiro, o parlamentar solicita informações sobre o assunto.

Terreno acumula escombros de casa demolida e muito lixo (Foto: Matheus Tagé/DL)

A Prefeitura de Santos informou que a Siedi (Secretaria de Infraestrutura e Edificações) vai verificar a existência de processo em andamento. Caso contrário, um fiscal da secretaria irá até o local hoje, para intimar o proprietário do imóvel, localizado na Rua Visconde de Farias, 158, no Campo Grande, a executar a limpeza da área no prazo de 30 dias.

Se o serviço não for realizado em um mês, será lavrada multa de R$ 12.042,34 e o proprietário terá 5 dias para deixar o local em perfeitas condições. Quando não é atendido o último prazo, a Prefeitura realiza a limpeza e cobra o trabalho por meio da Dívida Ativa.

Segundo a legislação municipal, é de responsabilidade do proprietário zelar pelas boas condições de seu imóvel. A Prefeitura age mediante denúncias que devem ser feitas na Ouvidoria Municipal, por meio da linha gratuita 0800-112056.
A Seção de Vigilância e Controle de Zoonoses (Sevicoz), da Secretaria de Saúde?, informa que incluiu o local na programação de vistorias para verificação do fato.