Cotidiano

Viúva de marinheiro que desapareceu no Triângulo das Bermudas luta por indenização

O caso aconteceu em 1976, com o desaparecimento do navio de carga de bandeira panamenha Sylvia L. Ossa

Da Reportagem

Publicado em 05/07/2022 às 12:00

Atualizado em 13/07/2022 às 11:16

Compartilhe:

Última foto que Dona Joana tem de Edivaldo Freitas, em uma de suas viagens - de camiseta branca, do lado direito / Arquivo Pessoal

Se tem um lugar no planeta que é cercado de mistérios é o Triângulo das Bermudas. A área localizada no Oceano Atlântico que forma de maneira imaginária a forma geométrica, com a Ilha de Bermudas, a cidade de San Juan, em Porto Rico, e a cidade de Miami, nos Estados Unidos, em suas pontas, é repleta de casos com desaparecimento de aviões, barcos cargueiros e navios.

Em 1976, um navio de carga chamado Sylvia L. Ossa, de propriedade da empresa panamenha Ominum Leader, que saiu do Brasil levando minérios de ferro para a Filadélfia, informou pelo rádio que enfrentava problemas naquela região e desapareceu para sempre, sobrando apenas um barco salva-vidas. A embarcação levava uma tripulação de 37 pessoas, com nove brasileiros. E um deles, o marinheiro Edivaldo Ferreira de Freitas, virou caso na Furno Petraglia e Pérez Advocacia, escritório que atua em toda a Baixada Santista e outros estados do País.

“Por indicação de vizinhos que eram nossos clientes, fomos procurados por Joana Alves Damasceno, uma das viúvas desse trabalhador marinheiro que estava a bordo do navio Sylvia L. Ossa. Em primeiro contato fiquei espantado com o caso e pedi para que ela buscasse documentos para provar o que havia contado”, diz o advogado Leandro Furno Petraglia.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Nascida no Recife, em Pernambuco, há 82 anos, Joana mora em Santos, tem um filho, e após o desaparecimento do marido foi procurada por um advogado americano que iniciou uma ação nos Estados Unidos, a qual foi negada em 2001 pela Suprema Corte Americana diante da dificuldade em obter informações sobre o caso.

A Furno Petraglia e Pérez Advocacia não desistiu do caso e, em 2019, a Dra. Monica Alice Branco Pérez, uma das sócias do escritório, foi até Nova York, nos Estados Unidos, para ver o processo. “Apurado que ela havia perdido o processo por lá, ingressamos com uma ação trabalhista no Brasil alegando que a empresa Omnium Leader, dona do navio, e a Frota Oceânica, que é a operadora marítima, deveriam indenizar a viúva pelo desaparecimento de seu marido na época”, explica Leandro.

Esse foi o primeiro caso do escritório quanto ao Triângulo das Bermudas e o processo em solo nacional teve audiência no início de junho de 2022. Agora, o advogado e a viúva esperam por uma sentença do caso que irá sair agora no próximo mês, em julho.

O escritório Furno Petraglia e Pérez Advocacia está localizado na Rua Bittencourt, 141, conjunto 35, no Centro, em Santos (SP). Para informações, pelos telefones: (13) 3219-1145 e (13) 3223-3386 ou pelo WhatsApp (13) 99663-8959.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Santos

Cidade do litoral de SP recebe evento sobre Cannabis Medicinal; veja a programação

Discussão ao longo dos anos vem ganhando corpo e a importação foi autorizada no Brasil há mais de 8 anos pela Anvisa

Diário Mais

Conheça a formidável ilha no litoral de SP onde você pode não sair com vida

Acesso ao local é proibido pelo risco constante de "acidentes fatais"

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter