Vila de São Vicente sem vida na temporada

Em plena temporada, só dois comerciantes resistem ao fraco movimento

Comentar
Compartilhar
30 JAN 201312h34

No site da Prefeitura, tudo perfeito: um local que reproduz a arquitetura, usos e costumes da primeira cidade brasileira, com lojas, tavernas e atores. Ao vivo e a cores, o Parque Cultural Vila de São Vicente foi literalmente abandonado pelos comerciantes, em plena temporada de verão.

Localizado na Praça João Pessoa, no centro da Cidade, em frente à Igreja Matriz e ao lado do Mercado Municipal, o parque não consegue mais transportar os visitantes ao cotidiano colonial do século XVI, como explica o site. Ao contrário, ao entrar, o visitante se depara com portas fechadas e não vê qualquer tipo de atração que o faça permanecer mais de 10 minutos no local.

Nesta terça-feira (29) à tarde, a reportagem esteve no local e constatou que, em termos de limpeza, o parque não está ruim. Porém, só funciona em função de dois estabelecimentos — uma doceria e uma choperia — que ainda resistem.

Ambos não quiseram dar entrevista porque estão inseguros com relação à permanência no equipamento público, mas alertaram que o local foi perdendo atrativos gradativamente e só ainda mantém algum movimento porque ambos fazem promoções nos finais de semana.

Portas fechadas - A maioria das lojas não funciona na Vila de São Vicente (Foto: Matheus Tagé/ DL)

O Parque Cultural Vila de São Vicente, um dos principais pontos turísticos da Cidade, foi reformado e entregue em 1º de abril de 2011. Ele estava nas mãos da Associação de Desenvolvimento Econômico e Social às Famílias (Adesaf).

Além de um restaurante, uma doceria (até hoje aberta) e o teatro, foram entregues uma sorveteria e uma loja de souveniers, com a coleção Coisas da Primeira, com produtos alusivos aos pontos históricos do Município. O espaço de exposições também havia sido reformulado.

Conforme apurado ontem, a Adesaf passou a administrar o local após firmar parceria com a Prefeitura. Antes da parceria, os concessionários pagavam R$ 100,00 para explorar os ambientes. Depois da parceria, passaram a pagar R$ 700,00. Ainda conforme apurado, curiosamente, a Adesaf teria largado o local meses antes das últimas eleições.   

Prefeitura explica

Procurada, a Prefeitura de São Vicente, por intermédio da assessoria de imprensa, respondeu que a atual gestão da Secretaria de Cultura já se deparou com essa situação, restando apenas dois pontos ligados à gastronomia, sendo uma loja de doces da época em que o parque foi criado.

A Administração não soube informar desde quando as lojas estão fechadas, mas acredita que isso ocorreu por falta de atrações que movimentassem o parque como um todo, “uma vez que, sem isso, o local — apesar de ponto cultural e turístico inegável — torna-se apenas contemplativo”.

Ainda conforme a Prefeitura, a reabertura das lojas e demais serviços que eram prestados no local depende da revisão de contratos e abertura de nova licitação, dentro de rígidos critérios de uso dos espaços existentes. Tudo está sendo reavaliado, para que o Parque Cultural Vila de São Vicente volte a ter vida e movimento.

A proposta da Secretaria de Cultura é fazer com que a Vila retome suas características originais. “Vale lembrar que se trata de um parque cenográfico, inaugurado em julho de 2001, com o objetivo de manter viva a história da primeira vila fundada no País”, informa a nota.

A Prefeitura finaliza informando que o parque, em breve, será novamente fechado, para reestruturação e retomada das características originais, com retorno da programação artística, com grupos da cidade e convidados.