Veto a projeto que proíbe terminal no Cing é aprovado por um voto

A área do Complexo Industrial Naval de Guarujá (Cing) permanecerá como zona especial de interesse público

Comentar
Compartilhar
11 FEV 201315h59

O veto do prefeito Farid Madi ao projeto de lei complementar que tornava a área do Cing zona especial de interesse turístico foi aprovado por sete votos contra seis, na sessão de ontem, na Câmara de Guarujá. A votação foi secreta. O PLC de autoria do vereador Paulo Flávio Affonso Piasenti havia sido aprovado por unanimidade no Legislativo. 

A rejeição do Executivo à proposição de Piasenti favorece a instalação de atividade portuária com terminal de contêiner, na área do Cing, cujo empreendimento é considerado prejudicial aos moradores locais, pelo Movimento Defenda seu Lar (MDL) que conta com o apoio da bancada de oposição da Câmara.

De acordo com o vereador Luiz Carlos Romazzini, que votou contra o veto, a atividade portuária no local afetará diretamente 30 mil pessoas. O presidente da Casa de Leis, Carlos Eduardo Pirani não votou, mas também declarou em plenário sua rejeição a instalação de atividade portuária no Cing. “Com a atividade no Cing, o movimento será de mil caminhões por dia aumentando a insegurança e prejudicando a qualidade de vida dos 300 mil moradores de Guarujá”.

O líder de Governo, o vereador Ituo Sato, mesmo sendo acuado pela bancada de oposição manteve a posição de aprovar o veto, orientando os governistas a fazerem o mesmo. Sato havia votado favoravelmente ao projeto de Piasenti e, na sessão de ontem, alegou que o projeto era inconstitucional sem argumentar porquê. O autor do PLC chegou a ofender Sato, em plenário, afirmando que inconstitucional era a sua moral.

Com a negativa dos poderes Executivo e Legislativo, o presidente do MDL, Sérgio Yamaguchi, que acompanhou a votação aguarda agora a posição da Justiça. A promotora de Meio Ambiente Juliana de Souza Andrade ingressou com ação civil pública contra a exploração de atividade portuária no Cing.

Após a votação do veto houve tumulto na Câmara e os vereadores Paulo Piasenti e Ituo Sato se agrediram em uma das antesalas do plenário. a Polícia foi chamada e a sessão encerrada ficando para a próxima sessão os 38 itens pautados para a sessão de ontem.