Vereadores pretendem alçar voos rumo à Alesp e Câmara

Caso sejam eleitos, os postulantes mudarão a dinâmica das Câmaras da Baixada ­Santista

Comentar
Compartilhar
27 AGO 2018Por Rafaella Martinez11h05

Dois anos após serem eleitos para o legislativo municipal, doze vereadores da Baixada Santista tentarão alçar voos maiores nas eleições majoritárias deste ano. Caso sejam eleitos, os postulantes mudarão a dinâmica das Câmaras da Baixada ­Santista.

Em Santos, os vereadores Augusto Duarte (PSDB), Kenny Mendes (PP), Sérgio Santana (PR) e Telma de Souza (PT) disputarão as eleições majoritárias. Enquanto o primeiro busca uma vaga na Alesp, os outros três miram na Câmara dos Deputados.

A dinâmica da Câmara poderá ser alterada principalmente caso o vereador Kenny Mendes conquiste a vaga na Câmara Federal. Isso porque o parlamentar foi eleito pelo PSDB e migrou para o PP no meio do mandato. Pela legislação, a cadeira na Câmara pertence ao partilo pelo qual Mendes foi eleito.

A configuração também esbarra no cenário legislativo da cidade. Com os vereadores eleitos Cacá Teixeira e Sadao Nakai (PSDB) assumindo secretarias do Poder Público, a dinâmica política pode colocar Jorge Fernandes e José Carlos Kaculé, terceiro e quarto suplentes do partido, dentro do Legislativo Santista. 

Segunda mais votada para a Câmara de Santos, Telma de Souza tentará novamente uma vaga na Câmara dos Deputados de Brasília.  Com R$821.835,86 de bens declarados, caso seja eleita como deputada federal, a petista abrirá caminho para que o arquiteto Rafael Ambrósio assuma o mandato no começo do ano que vem.

Sérgio Santana (PR) também busca a Câmara e, caso seja eleito, abre caminho para Murilo Barleta retornar ao legislativo santista.

Outras cidades

Em São Vicente, Alfredo Moura (PROS) e Gustavo Palmieri (PSB) buscam uma oportunidade na Câmara. Enquanto Moura pode abrir caminho para que Renato de Lucas assuma a vaga em São Vicente, Palmieri possibilita o ingresso do terceiro suplente do PSB: Alexandre Rodrigues. Isso porque o primeiro suplente, Castelinho, já substitui Perivaldo do Gás, que atualmente comanda a subprefeitura da Área Continental. Já o segundo suplente, Esdras ­Nascimento ficou no ­lugar de Léo Santos, da SEDUP.

Eduardo Xavier (MDB) e Leandro Avelino (PSB) são os dois representantes da Câmara de Praia Grande a tentar uma vaga em Brasília.  Caso sejam eleitos, eles abrem caminho para que os suplentes Katsu e Zezão assumam o legislativo.

Já em Bertioga, Eduardo Pereira (SD) concorre a uma vaga na Câmara. Caso seja eleitos, o ex-vereador Alemão retorna para a Câmara. Arnaldo de Oliveira Júnior (PV) ta,bém concorre e caso seja eleito abre caminho para Luiz do Tigrinho.

Do legislativo guarujaense, Andressa Salles (PSB) busca uma vaga na Câmara. Com R$1.334.000,00 em bens declarados, ela deixa o caminho aberto para Carlos Eduardo Vargas. Já em Peruíbe, Marcos Mohai Szabó (PSDC) pode abrir caminho para Sérgio Teté, caso seja eleito como deputado federal.  
Suplentes.

É suplente de vereador todo candidato que concorreu ao cargo nas eleições e que não foi eleito para uma vaga na Câmara Municipal. O candidato não eleito fica disponível para assumir uma vaga nos próximos anos, caso o vereador eleito não possa assumir ou continuar o seu mandato (temporariamente ou até o final da legislatura). 

Todos os candidatos não eleitos ficam listados como suplentes de vereador, em uma listagem do partido ou da coligação. A ordem dessa lista é definida pela quantidade de votos recebidos por cada candidato.

Quando surgir uma vaga, o primeiro nome da lista será convocado. Caso aconteça um empate na quantidade de votos recebidos, vai assumir o suplente que tenha mais idade.