Vereador vai ao MP tratar do entulho que continua no terreno da Vila dos Ferroviários

A área conhecida como “cracolância” tira o sono e o sossego dos moradores que denunciaram a presença de marginais no local que também virou depósito de lixo

Comentar
Compartilhar
18 OUT 201111h20

O vereador Antonio Carlos Banha Joaquim (PMDB) fez uma visita ontem ao Ministério Público do Meio Ambiente para tratar do entulho das casas da Vila dos Ferroviários, acumulado no terreno da Rua Dr. Gaspar Ricardo, no José Menino. No último dia 6, Banha protocolou duas representações no Ministério Público, uma na Promotoria da Infância e da Juventude e outra na Promotoria do Meio Ambiente, após receber abaixo-assinado da Paróquia São Paulo Apóstolo e da comunidade local pedindo segurança no local e a limpeza da área. O terreno foi transformado num reduto de usuários de drogas, tráfico, moradores de rua, prostituição infantil e é chamado pela comunidade local de “cracolândia”.

Doze dias depois de encaminhar as representações ao MP, Banha retornou ao local e fez novas fotos para registrar que o problema continua. As fotos foram entregues ontem ao promotor do Meio Ambiente.

O MP do Meio Ambiente poderá notificar a Prefeitura de Santos para que providencie intimação à Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU/SP) para limpar o terreno e erguer um muro no local. O MP também poderá notificar a Cetesb para que multe a empresa pelo acúmulo de entulho.

Na semana passada, o vereador visitou a Promotoria da Infância e da Juventude e na próxima semana deverá visitar a Delegacia Seccional de Santos e o Comando da Polícia Militar para tratar das questões do tráfico de drogas e de policiamento ostensivo no local, respectivamente.

Limpeza em 15 dias

No último dia 7, a EMTU respondeu ao DL, que a limpeza do terreno seria feita em até 15 dias. Dizia a EMTU em nota: “a Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos - EMTU/SP informa que já contratou a empresa responsável pela demolição dos imóveis desocupados e a limpeza dos terrenos localizados na faixa de domínio da futura linha do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos). Os trabalhos começarão no prazo máximo de 15 dias”.