Vento e chuva provocam estragos na Região

Ventos de até 80 km/h derrubaram árvores, barracas de praia e letreiros; duas moradias foram interditadas

Comentar
Compartilhar
20 JAN 201315h38

Fortes chuvas e ventos de até 80 km/hora provocaram estragos na Baixada Santista, na manhã de ontem. Os ventos derrubaram árvores, barracas de praia e letreiros; uma banca de jornal no Centro de Santos e duas moradias foram interditadas em São Vicente, além de alagamentos nas vias prejudicando o trânsito em alguns pontos.

O mau tempo resulta de uma massa de ar úmido que persistirá ainda sobre a região nos próximos dias, provocando mais chuvas e instabilidade, de acordo com o Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC/INPE).

A região enfrentou duas fortes pancadas de chuva na manhã de ontem. A primeira pancada ocorreu entre 7 e 7h30, com ventos de até 80 km/h, e a segunda por volta das 11h30. Mas, a chuva persistiu, menos intensa, durante todo o dia de ontem.  

A travessia de balsas de veículos e barcas de pedestres teve que ser interrompida na manhã de ontem, entre 7 e 8 horas. Segundo informações da Dersa, a balsa FB-19, que transportava 50 veículos, teve dificuldade para fazer a travessia de Santos para o Guarujá por causa dos ventos. A embarcação havia partido de Santos às 9h20, mas só conseguiu chegar no lado de Guarujá cerca de uma hora depois, com a ajuda de dois rebocadores.

Porém, de acordo com a assessoria de imprensa da Dersa, esse foi o único incidente do dia, decorrente do mau tempo. Os pedestres também tiveram que aguardar por cerca de meia, por volta das 8 horas, para fazer a travessia com segurança. Durante toda a manhã, as embarcações operaram normalmente. 

Segundo o engenheiro da Defesa Civil de Santos, Manoel Carlos Migueis Picado foi registrado um volume de chuva de 52,6 milímetros até o meio-dia de ontem. Segundo ele, a quantidade de chuva embora esteja dentro do esperado, foi acima da média para o período. Manoel disse que houve algumas quedas de árvores na Cidade, mas nenhum risco de deslizamento de terra foi detectado nos morros. “Não recebemos nenhum comunicado, nenhuma reclamação dos morros”.

A forte chuva também culminou na suspensão da missa campal e da procissão que levaria a imagem da padroeira de Santos, Nossa Senhora do Monte Serrat até o altar da capela, no alto do morro, ontem pela manhã.

Ainda em Santos, uma banca de jornal localizada na esquina das ruas João Pessoa com a Riachuelo foi derrubada. Em São Vicente, dois barracos foram interditados pela Defesa Civil, um no Dique das Caixetas, e outro no Dique do Sambaiatuba.

O diretor da Defesa Civil de São Vicente, Alberto Junqueira, disse que as famílias foram encaminhadas para a casa de parentes, por assistentes sociais porque as moradias, que foram construídas sobre palafitas, foram abaladas pelas rajadas de vento e apresentavam risco.

No bairro Parque São Vicente, um morador informou ao DL que o muro de um sobrado vizinho em construção caiu sobre sua casa abrindo um buraco no telhado. No momento do acidente, todos estavam em casa, mas ninguém se feriu, segundo Cristian Moreira Couto, de 25 anos. Cristian disse ainda que o vizinho se comprometeu a consertar o telhado que cedeu e vai arcar com todos os prejuízos.

Uma árvore atingiu outra casa em São Vicente, mas por sorte, também ninguém se feriu. A Defesa Civil do Município registrou quedas de árvores pelos bairros da Cidade, mas nenhuma ocorrência grave.