Vendas podem ter caído em Santos

Já no País as vendas no varejo cresceram 9,7% no 1º trimestre deste ano

Comentar
Compartilhar
25 FEV 201322h31

O número de consultas ao Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) da Cidade de Santos, no último mês de março, caiu 3,83% em relação a março de 2006. A informação é do Sindicato do Comércio Varejista de Santos. De acordo com o órgão, os dados captados são referentes aos estabelecimentos comerciais cadastrados no Sindicato, constituindo-se apenas em uma amostragem da movimentação de compra no varejo.

No entanto, o Sindicato esclarece que a queda no número de consultas ao SPC pode ser tanto um reflexo do decréscimo no volume de vendas no comércio de um modo geral, quanto uma baixa na utilização de cheques no ato da compra, devido a adesão progressiva de consumires aos cartões de crédito. Os cartões não são consultados pelo SPC.

No primeiro trimestre deste ano — de janeiro a março — o decréscimo nas consultas registrou baixa de 4,09%. Já no acumulado do quadrimestre a queda foi 5,38%. Mas o órgão ressalta que o enfraquecimento do comércio varejista no período entre o natal e o dia das mães, é normal.

IBGE

Já pesquisa divulgada essa semana pelo IBGE revela crescimento no volume de vendas no varejo, em todo o país. O comércio varejista do país apresentou, em março, aumento de 1,1% no volume de vendas e 1,2% para a receita nominal, na relação mês/mês anterior, com ajuste sazonal. Na série sem ajustamento, as taxas para o volume de vendas foram de 11,5% sobre março/06, 9,7% no acumulado dos três primeiros meses do ano e 7,3% no acumulado dos últimos 12 meses. A receita nominal cresceu 11,6% com relação a igual mês do ano anterior, 9,8% no primeiro trimestre do ano e 7,7% nos últimos 12 meses.

Ainda na análise da série ajustada, calculada para quatro das oito atividades que compõem o setor, os resultados para o volume de vendas foram os seguintes:  -0,1% para Combustíveis e lubrificantes; 1,2% em Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; 1,3% para Móveis e eletrodomésticos e 2,7% para Tecidos, vestuário e calçados. Na mesma comparação, o segmento de Veículos, motos, partes e peças, que faz parte do comércio varejista ampliado, obteve variação positiva de 4,4%.

Já na relação março07/março06, todas as atividades do varejo obtiveram aumento no volume de vendas, cujas taxas, por ordem de importância no resultado global, se estabeleceram em 9,3% para Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo; 18,1% para Móveis e eletrodomésticos; 26,6% em outros artigos de uso pessoal e doméstico; 7,0% para Combustíveis e lubrificantes; 9,9% em Tecidos, vestuário e calçados; 24,9% para Equipamentos e material para escritório, informática e comunicação; 5,7% em Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos e  9,3% para Livros, jornais, revistas e papelaria.