Vacina para PCD: Prefeitura de Santos começa a cumprir hoje a orientação do Estado

Pessoas com deficiência física, sensorial e intelectual, com idade entre 18 e 59 anos, sem BPC, podem procurar posto e se vacinarem

Comentar
Compartilhar
11 JUN 2021Por Carlos Ratton07h00
Santos recebeu 4.445 doses de Oxford/AstraZeneca, que, segundo o Governo do Estado, corresponde a 50% do total deste públicoSantos recebeu 4.445 doses de Oxford/AstraZeneca, que, segundo o Governo do Estado, corresponde a 50% do total deste públicoFoto: RENATO INÁCIO/PMB

A Prefeitura de Santos informa que começa a cumprir hoje, com mais conforto, a nova orientação do Governo do Estado, propagada na última quarta-feira (9), liberando vacina a pessoas com deficiência física, sensorial e intelectual, com idade entre 18 e 59 anos.

Antes, somente poderiam se vacinar as pessoas deficientes incluídas no cadastro no Benefício de Prestação Continuada (BPC), que engloba, geralmente, os que estão em vulnerabilidade social - baixa renda.

Santos recebeu 4.445 doses de Oxford/AstraZeneca, que, segundo o Governo do Estado, corresponde a 50% do total deste público. A complementação das doses deve chegar nos próximos dias. Estarão disponíveis 31 postos de vacinação, sendo um drive-thru na Arena Santos, das 9 às 15 horas, oito postos externos, das 8 às 16 horas, e 22 policlínicas, das 8 às 13 horas.

DOCUMENTAÇÃO.

Todos devem apresentar documento com foto, CPF e comprovante de residência em Santos. De acordo com o Programa Nacional de Imunizações, deve ainda ser levado ao posto de vacinação cópia do laudo médico que indique a deficiência; cópia de comprovante de atendimento em Centro de Reabilitação ou unidade especializada; cópia do documento oficial com indicação da deficiência ou cópia do cartão de gratuidade do transporte público.

Vale lembrar que entre o dia 9, quando o governador João Dória (PSDB) divulgou a liberação, e ontem, foi necessário um tempo para que as unidades de Santos fossem informadas e se preparassem para receber a demanda.

ESTRESSE.

A situação causou um pouco de estresse às famílias que acreditam que ontem mesmo poderiam vacinar seus parentes. Alguns familiares levaram as pessoas nos postos que não foram vacinadas.

Ivone dos Santos Roberto foi com seu filho Rodrigo dos Santos Roberto, de 45 anos, que possui coordenação motora insuficiente e problemas de fala, foi uma delas. "Fui no Rebouças e se negaram a dar. Estamos à deriva", disse.

Já na parte da tarde, algumas já haviam se manifestado, por intermédio de um grupo no Facebook que estava lutando pelo direito à vacinação, que conseguiram se vacinar e passaram a divulgar os locais que já estavam aplicando, entre eles o próprio Rebouças.