Vacina contra febre amarela: População faz filas em postos de saúde

Por enquanto, a recomendação é de que a dose da vacina seja aplicada apenas em quem vai viajar

Comentar
Compartilhar
18 JAN 2018Por Caroline Souza11h36
A Secretaria de Saúde de Santos informou que até o final da tarde de ontem, 1.880 das 3.500 doses recebidas, foram aplicadas. As unidades farão aplicação das doses remanescentes nos horários estabelecidosFoto: Rodrigo Montaldi/DL

A campanha de imunização contra a febre amarela ainda não começou. Mesmo assim, o medo da doença, que tem repercutido nos últimos dias, levou a população aos postos de saúde de Santos e São Vicente.

Por enquanto, a recomendação é de que a dose da vacina seja aplicada apenas em quem vai viajar. No entanto, a reportagem do Diário do Litoral encontrou munícipes que estavam procurando os postos de saúde por estarem amedrontados.

“Tenho parentes fora do estado e eles estavam pedindo para eu vir tomar, pois estão acompanhando as notícias. Estou com medo, então vim logo”, relata Rose Nobre, que aguardava há cerca de quatro horas na fila da Policlínica da Aparecida, em Santos.

“Não é preciso se alarmar”, ressalta a chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica de São Vicente, Maria Teresa Teixeira. “Fazemos monitoramento constante e não tem nenhuma confirmação ou suspeita na região”, continua.

Em São Vicente, apenas a Unidade Básica de Saúde (UBS) Central está disponibilizando vacinas contra a febre amarela. Isso porque, de acordo com Maria Teresa, as cidades ainda não estão recebendo a quantidade de doses para campanha, que é bem maior do que a habitual.

Quem ficou na fila da unidade ontem, teve que voltar para casa sem ser vacinado, porque as doses acabaram na última terça-feira. Hoje, a vacinação será normalizada.

“Não é preciso correr, nem enfrentar filas. Dá tempo de esperar o início da campanha”, esclarece Maria Teresa.

Em Santos, os postos estavam lotados e as pessoas aguardavam por mais de quatro horas nas filas de algumas policlínicas. Ontem, o município recebeu 3,5 mil doses do Estado, que permitiram aos postos voltarem a oferecer a vacina, já que o estoque anterior havia se esgotado. Dessas, 1.880 vacinas foram aplicadas.

A Prefeitura ressalta que as doses são voltadas apenas às pessoas que irão viajar para regiões onde a doença está circulando. “Para quem não sairá da Baixada Santista, a recomendação é aguardar a campanha de vacinação”, explica a assessoria. O aviso, no entanto, não está sendo seguido à risca por todos. “Não sei se a área que eu vou é de risco, mas preferi vir tomar a vacina”, diz Ana Eulina, que é moradora de Praia Grande. “Vim até Santos porque em Praia Grande está acabando muito rápido”, complementa.

Quem realmente vai viajar, reclama que as policlínicas deveriam exigir comprovação de viagem, assim o tempo de espera seria menor. “Percebi que nem todos que estão aqui vão viajar. Eu vou para a Colômbia e preciso da vacina e do Certificado Internacional. Trouxe documentos para comprovação, mas não pediram nada para tomar a vacina. Só vou usar agora para o Certificado”, diz Fabiane Gonçalves.

O Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) é fornecido apenas no Centro de Orientação ao Viajante (COV) que funciona na Policlínica da Aparecida e exige documentação que comprove a viagem.

“É importante se imunizar com, no mínimo, 10 dias de antecedência para que o organismo inicie a produção de anticorpos no início da viagem. Quem já tomou a vacina contra a febre amarela em algum momento da vida não precisa se imunizar novamente”, explica Ana Paula Valeiras, chefe do Departamento de Vigilância em Saúde de Santos.