UPA de Itanhaém já atendeu mais de 60 mil pacientes

As Unidades de Saúde da Família (USF) funcionam como complemento às Unidades de Pronto Atendimento 24 (UPA), que prestam o acolhimento de urgência e emergência como foco principal

Comentar
Compartilhar
24 JUN 201416h28

Inaugurada em 22 de abril, no aniversário da Cidade, a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém é o novo pronto socorro municipal. Com a finalidade de estabelecer a capacidade de atendimento aumentada e setores climatizados, o local atende em média mais de 20 mil pacientes ao mês. Algumas pessoas que procuraram a unidade relataram sobre o atendimento adquirido.

A aposentada Aminta Lima Angerosa, residente no bairro Cibratel II, disse que teve que recorrer a UPA após ter fraturado dois dos dedos do pé esquerdo. “Cheguei aqui em prantos de tanta dor! O médico foi realmente um amor comigo. Ele me recebeu super bem e foi muito agradável. Posso dizer por experiência própria que o atendimento foi superior ao que recebi em determinada vez pela rede particular de saúde, no qual foi um episódio lastimável”, lembrou.

A servidora pública estadual Andréia Barnabé estava acompanhando sua avó, Rosalina de Gusmão, de 92 anos, que levou um tombo. A servidora afirma que ela não foi ‘deixada de lado’ em nenhum momento pela equipe da unidade. “Eu percebi aqui um atendimento completamente humanizado, algo que em outros hospitais a situação é muito diferente”, disse ela.

Por causa do quadro clínico de Rosalina, a filha da idosa, Lucinda de Gusmão chegou a passar mal e teve que ser atendida no local. “Pelo nervosismo foi constatada que a minha pressão estava 18. Fui rapidamente atendida e medicada e me sinto bem melhor”.

A estagiária Glaucia Correia Ramos foi removida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) para a UPA, onde segundo ela também recebeu ótima e rápida assistência. A moradora do bairro Campos Elíseos relatou que foi constatada uma torção em seu pé direito. “O SAMU foi acionado e se dirigiu de prontidão ao local. O médico que me recebeu foi atencioso e resolveu meu problema, assim como o técnico de gesso, que foi muito gentil e preocupado”, avaliou.

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Itanhaém é o novo pronto socorro municipal (Foto: PMI)

Ao levar um escorregão em sua residência, o morador do balneário Gaivota, Rubens Gheotto procurou a unidade para verificar a dor persistente no quadril sentida após a queda. Rubens, que estava aguardando para tirar os raios-X, fez uma avaliação positiva sobre o trabalho realizado pela médica Flávia Veloso. “Ela foi muito eficiente e cordial. Só tenho a agradecer a ela, com certeza”.

A dona de casa Alice Júlia Muchante, moradora do Bopiranga, estava acompanhando a filha e o genro que estavam no aguardo do resultado dos exames. “Além do bom atendimento, a médica fez uma série de perguntas sobre o histórico clínico de ambos e passou um medicamento para sanar o problema de imediato”.

A filha de Alice, Raquel Muchante, afirma que recebeu uma assistência imediata ao chegar à unidade.  “Meu marido e eu fomos atendidos bem rápido. Por ora, estamos no aguardo dos resultados para que a médica possa indicar o diagnóstico e tratarmos isso da melhor forma possível”, disse.

A UPA de Itanhaém estabeleceu um novo conceito para o atendimento da população com a classificação de risco, que aponta a prioridade pelo estado do usuário. A classificação é feita por meio de uma triagem realizada por uma equipe capacitada para o rápido procedimento. O paciente automaticamente recebe uma pulseira de determinada cor que indicará a sua situação e o respectivo tempo de espera à assistência. São quatro cores no total que apontam o estado do usuário.

Segundo o Ministério da Saúde, as Unidades de Saúde da Família (USF) funcionam como complemento às Unidades de Pronto Atendimento 24 (UPA), que prestam o acolhimento de urgência e emergência como foco principal, em trabalho em conjunto com o SAMU.

As USFs localizadas em várias regiões do Município realizam procedimentos considerados mais “básicos”, como a administração do soro e a colocação de faixas nos membros, entre outros. Todas estas unidades de saúde têm funcionamento em tempo integral e equipe especializada.