TRT determina retorno de 40% a 60% dos ônibus em Peruíbe

A ordem da juíza estabelece multa diária de R$ 20 mil a qualquer das partes (sindicato e empresa) que a descumprir

Comentar
Compartilhar
13 JAN 201321h52

O Tribunal Regional do Trabalho determinou o retorno de até 60% da frota de ônibus coletivos, em Peruíbe. Os rodoviários estão em greve desde a última segunda-feira para pressionar a empresa Intersul a reajustar os salários e os benefícios da categoria.

Segundo determinação da desembargadora e vice-presidente judicial do Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região (TRT Campinas), Olga Ainda Joaquim Golmieri, desde segunda-feira (1º) 60% dos 20 ônibus da frota são obrigados a rodar no horário de pico, das 6 às 8 horas e das 17 às 19 horas. E 40% nos demais horários.

Em nota enviada à imprensa, o Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários cumpre a determinação desde ontem pela manhã. “A ordem da juíza estabelece multa diária de R$ 20 mil a qualquer das partes (sindicato e empresa) que a descumprir. A Intersul, concessionária do transporte coletivo na cidade, protocolou pedido de dissídio na Justiça do Trabalho”, informa a nota do sindicato.

Ainda de acordo com o sindicato, a greve iniciou na última segunda-feira (1º) com adesão de 100% da categoria e prossegue por tempo indeterminado. O presidente do sindicato, Valdir de Souza Pestana, aguarda audiência de conciliação ou julgamento no TRT.

A greve foi confirmada em assembleia realizada no sábado (30), mas já havia sido decretada na quarta-feira (27). Os motoristas reivindicam salário de R$ 1.250, o mesmo dos motoristas de Itanhaém. Mas, a Intersul oferece aumento de R$ 969 para R$ 1057 e vale-refeição de R$ 200. A categoria também rejeita o reajuste de R$ 50 no vale-refeição que atualmente é de R$ 150.