X

Cotidiano

TRE cassa mandato de Kenny Mendes

O parlamentar santista foi reeleito pelo PSDB com mais de 20 mil votos na última eleição e trocou de partido no início do mês de abril por, segundo ele, divergências durante o mandato

Da Reportagem

Publicado em 25/09/2018 às 08:00

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

O TER-SP cassou ontem o mandato do vereador Kenny Pires Mendes (PP) / Rodrigo Montaldi/DL

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TER-SP) cassou ontem o mandato do vereador Kenny Pires Mendes (PP) por infidelidade partidária. O parlamentar santista foi reeleito pelo PSDB com mais de 20 mil votos na última eleição e trocou de partido no início do mês de abril por, segundo ele, divergências durante o mandato. Os advogados do PSDB ­reivindicaram a cadeira do parlamentar na ­Câmara.

É importante salientar que A decisão não interfere diretamente na candidatura de Kenny à Assembleia Legislativa, pois ela está "deferida" pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Kenny quer ser deputado estadual. O TRE informou que a impugnação pela 'Lei da Ficha Limpa' não é automática neste momento. De acordo com o Tribunal, é preciso que o Ministério Público, algum partido ou candidato faça uma representação contra ele. A partir daí começam a contar os prazos para julgamento.

Saída

Em abril último, O PSDB santista e a bancada de vereadores do partido na Câmara de Santos abriu processo requerendo o mandato do vereador. O iniciativa ocorreu porque ele denunciou, numa carta lida em plenário, suposta perseguição política pessoal. O manifesto causou indignação de seus ex-companheiros de partido. 

No documento, o vereador dizia que vinha sendo pressionado por membros do ex-partido a votar de acordo com a vontade do Executivo, mesmo que o voto fosse contrário aos seus interesses e de seus eleitores, comprometendo a independência de seu mandato e atacando sua atuação na Câmara. Também revelava que suas emendas vindas de Brasília para o Município teriam sido contingenciadas e até não utilizadas pela Administração, numa clara tentativa de sabotar seu mandato. A Administração negou perseguição.

Procurado, Mendes se mostrou tranquilo com relação a questão. Disse que o partido já ingressou com embargos (recurso) contra a decisão, que devem ser avaliados só após as eleições, e que o processo seria nulo porque as testemunhas do PP não teriam sido ouvidas. “O próprio Ministério Público ­concordou com a nulidade. Temos mais instâncias e acredito que serei eleito e a ação será automaticamente extinta”, finalizou.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Polícia

Tarcísio diz que quem confrontar PM na Baixada Santista 'vai se dar mal'

Ele disse que governo "não quer o confronto", mas garantiu que a polícia está preparada para enfrentar os criminosos

EVENTO CULTURAL

Santos recebe exposição que celebra os 150 anos da imigração italiana

Para uma imersão completa na cultura italiana, uma programação com diversas apresentações

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter