X
Cotidiano

Terracom deve faturar R$ 356 milhões

Prestadora mantém sete contratos na Baixada Santista

O lixo produzido por sete cidades da Região Metropolitana da Baixada Santista deverá proporcionar à Terracom Construções — detentora do maior número de contratos — ganhos na ordem de R$ 356 milhões, o equivalente a R$ 975 mil por dia pela prestação do serviço de coleta e destinação final de resíduos sólidos em 2015.

A Terracom presta serviços em Santos, Praia Grande, Guarujá, Bertioga, São Vicente, Cubatão e Mongaguá. Somente as duas cidades do Litoral Sul da Baixada — Itanhaém e Peruíbe — não são atendidas pela empresa que, só como curiosidade, pode faturar este ano R$ 93 milhões a mais que o maior prêmio da história da Mega-Sena, que foi de R$ 263 milhões, registrado em 31 de dezembro do ano passado.

Com exceção de Mongaguá e São Vicente, o levantamento é baseado em informações das prefeituras. A cidade que mais deve gastar com lixo este ano é Santos. O contrato deste ano prevê R$ 105 milhões, mesmo valor do ano passado. Com 420 mil habitantes, segundo último levantamento do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o valor gasto por pessoa é R$ 250,00 por ano. A coleta na Cidade é diária.

Praia Grande é a segunda cidade que mais deve gastar com o lixo produzido por seus 293 mil habitantes. O Município está sob um contrato emergencial de R$ 17,8 milhões até este mês, quando acontecerá a concorrência pública. Ano passado, a Administração gastou R$ 87 milhões ou R$ 296,00 por pessoa para recolher e tratar o lixo. Esse valor deve permanecer em 2015. A coleta é três vezes por semana.

Coleta de lixo— É diária em Santos, Cubatão e Mongaguá (Foto: Luiz Torres/DL)

Não se sabe o motivo, mas Guarujá deve gastar R$ 22 milhões a mais que no ano passado, quando desembolsou R$ 51 milhões. A Pérola da Atlântico é a terceira cidade com maior contrato de lixo com a Terracom: R$ 73 milhões. Com 290 mil habitantes, o custo por pessoa será de R$ 252,00 este ano.

A coleta é três vezes por semana. Com 55 mil habitantes, Bertioga pretende gastar este ano R$ 38 milhões para recolher e destinar o lixo. É a cidade em que o lixo por habitante sai mais caro: R$ 691,00. A coleta mescla diária e três vezes por semana (bairros periféricos). O contrato com a Terracom vence em agosto próximo.

São Vicente não enviou dados recentes mas, segundo os últimos levantamentos, o contrato de 2014 foi de R$ 26 milhões. O valor deve se repetir este ano o que faz com que o custo do serviço por cada um de seus 332 mil habitantes represente R$ 78,00. A coleta de lixo no Município é três vezes por semana.

Cubatão e Mongaguá são as que menos gastam com o serviço de coleta e destinação final de resíduos sólidos. O contrato de Cubatão com a Terracom é de R$ 19 milhões (mesmo do ano passado) que, divididos por 119 mil habitantes, perfaz um custo de R$ 159,00 por pessoa.

A Prefeitura de Mongaguá não encaminhou informações, mas a Reportagem descobriu que o contrato é de R$ 8 milhões. Portanto, o custo por pessoa é de R$ 174,00 no Município que possui 46 mil habitantes.

Nas duas cidades, a coleta é diária.

As cidades de Itanhaém e Peruíbe não são atendidas pela Terracom. Itanhaém pretende gastar somente R$ 6 milhões e Peruíbe R$ 37 milhões. Os valores de ambas as cidades são baseados pelo número de moradias e não por habitantes.

Deixe a sua opinião

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Dois PMs morrem com suspeita de febre maculosa durante curso

Vítimas eram instrutores da COPC, que teve uma fase de curso em área de mata. Casos seguem em análise pela Fiocruz

Se já estava ruim, vai piorar! Petrobras anuncia novo aumento nas refinarias

Reajuste passa a valer nesta terça-feira (26) para gasolina e diesel

©2021 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Layout

Software