‘Tenho adotado o foco total no trabalho pela população’

Rodrigo Casa Branca defende postura de fiscalização e independência em relação ao Executivo

Comentar
Compartilhar
17 ABR 2017Por Diário do Litoral10h40
Rodrigo Casa Branca (PSDB) foi o quinto vereador mais votado em Mongaguá nas eleições de 2016Foto: Divulgação

Rodrigo Cardoso Biagioni, o Rodrigo Casa Branca (PSDB) foi o quinto vereador mais votado em Mongaguá nas eleições de 2016. Em seu segundo mandato, ele foi eleito para presidir a Câmara Municipal.

À frente do Legislativo, o tucano defende uma postura de independência e fiscalização em relação ao Executivo, com olhos voltados para o que é melhor para a população. Como prova disso, ele cita projetos de lei do Executivo que visam o uso de recursos, mas que foram vetados, segundo o parlamentar, por não estarem de acordo com a transparência.

Além disso, defende uma Câmara mais moderna e organizada. E, também, um poder mais democrático. Para isso, logo nos primeiros dias, conseguiu aprovar a extinção da reeleição para presidente do ­Legislativo.

Diário do Litoral - Quais as prioridades da Mesa Diretora para o biênio 2017/2018?
Rodrigo Casa Branca -
A minha prioridade e a dos demais membros da Mesa Diretora biênio 2017-18 é modernizar o Legislativo, respeitando as legislações vigentes e reforçando a principal função dos vereadores, que é a de fiscalizar o Executivo. É um desejo comum dos membros da Mesa Diretora trabalhar de forma muito séria, em busca de reais melhorias para a população. Temos muitas dificuldades e problemas na cidade e a Câmara tem fundamental importância em cobrar o Executivo para que faça valer o investimento de impostos que os contribuintes pagam.

DL - Como foi a construção da candidatura à presidência?
Casa Branca -
Acredito na oxigenação do comando da Casa de Leis. Tive o apoio primordial da maioria dos vereadores, que depositaram em mim a confiança por um trabalho focado em tornar o Legislativo não um departamento da prefeitura, e sim um real órgão de fiscalização e promoção da cidadania em nossa Mongaguá.

DL - Que ações foram tomadas pela Câmara neste momento de crise?
Casa Branca -
Estamos tomando medidas sérias, transparentes e pontuais. Promovendo uma análise correta e profunda sobre a estrutura do Legislativo, convocando novos funcionários que passaram no último concurso e ajustando a Casa com o intuito de otimizar as rotinas administrativas. Investe-se em tecnologia, melhoria da estrutura, que resultará em um serviço mais eficaz e eficiente.

DL - A nova composição da Câmara elegeu nove parlamentares que são de partidos da base do prefeito. Como está a relação com a oposição?
Casa Branca -
Eu particularmente não acredito em oposição e situação, pois nenhum dos vereadores aqui eleitos são subordinados ao prefeito. Somos representantes da população e devemos trabalhar pelo que é correto, dentro da lei e respeitando o Regimento Interno da Câmara. Claro, há vereadores mais favoráveis ao Executivo, mas a Mesa Diretora deste biênio tem adotado uma postura ética, independente e fiscalizadora, pois sabemos que a população espera muito de cada um dos vereadores que aqui representam milhares de munícipes. Independente das bandeiras e opiniões pessoais, acredito no respeito entre os vereadores e em suas convicções.

DL - Como está a relação com Executivo?
Casa Branca -
Desde o primeiro dia de trabalho na Mesa Diretora, tenho adotado o foco total no trabalho pela população, respeitando as legislações vigentes e fiscalizando de forma muito firme os atos e projetos do Executivo. Essa é a função da Câmara. Hoje temos uma Casa de Leis que olha, analisa e busca sempre o melhor para os cidadãos. Há algumas polêmicas, por exemplo sobre Projetos de Lei do Executivo que visam o uso de recursos, mas que infelizmente não estão de acordo com a transparência necessária, detalhando onde serão aplicados os recursos. Vivemos em um novo momento de serenidade e conscientização da população, que exige transparência e atitudes corretas por parte dos seus governantes. Os membros da Mesa Diretora e vereadores que compartilham de nossa visão, também.

DL - O que deverá nortear a pauta política?
Casa Branca -
Temos projetos em andamento visando a modernização da Câmara de Mongaguá, garantindo o trabalho dos vereadores e organizando a Casa para sempre atender bem a população. Estamos respeitando, por exemplo, a norma do Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), que determina a ocupação ordenada do plenário durante as sessões. Queremos uma Câmara forte, harmônica com os demais poderes públicos e independente do Executivo, mas parceira em projetos e ações que realmente garantam melhorias para as pessoas que aqui vivem.

DL - No início da legislatura o senhor apresentou e conseguiu aprovar um projeto de resolução que acabou com a reeleição para a Mesa Diretora. Por que o senhor decidiu tomar essa atitude?
Casa Branca -
Sim, uma atitude sensata foi pôr fim à reeleição do presidente da Mesa e dos membros dela. Não é justo cercear o direito dos 13 vereadores de tentar ocupar um dos cargos da mesa e por isso analisamos, dentro da legalidade, como acabar com essa medida, que só prejudicava a oxigenação de ideias e atitudes do ­Legislativo.

DL - O que a população de Mongaguá deve esperar do senhor como presidente da Câmara?
Casa Branca -
Acredito em Deus, em Nossa Senhora Aparecida e no respeito entre os membros do Legislativo para transformar a Câmara de Mongaguá em um ambiente bom para o debate, atendendo aos desejos e necessidades da população. Mongaguá é uma cidade com muitas dificuldades, problemas e os moradores precisam de uma atenção especial, em cada um dos bairros. Nossa função é lutar por mais obras de infraestrutura, melhoria na Educação de nossas crianças, atendimento digno nas unidades de saúde, amparo real nos programas sociais, oportunidades de emprego e renda para todos que precisam trabalhar, esporte e lazer para crianças, jovens, adultos e idosos e que todo nosso esforço garanta o desenvolvimento de nossa cidade, para que ela seja exemplo de organização de serviços públicos de qualidade para os ­cidadãos.