Taxistas protestam contra aplicativos de transporte em Santos

Eles cobram uma posição da prefeitura em relação aos novos serviços de condução oferecidos via smartphone que, segundo eles, seriam clandestinos

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2017Por Da Reportagem20h55
Taxistas realizaram manifestação pedindo a regulamentação dos aplicativos de transporte particularFoto: Matheus Tagé/DL

Taxistas de Santos realizaram hoje (1) uma manifestação pelas ruas da cidade pedindo a regulamentação dos aplicativos de transporte particular. Eles cobram uma posição da prefeitura em relação aos novos serviços de condução oferecidos via smartphone que, segundo eles, seriam clandestinos.  

O taxista Emídio Gonçalves informou que o protesto teve início por volta das 10h30 da manhã na sede do Sindicato dos Taxistas de Santos, na Ponta da Praia. “Não é justo um serviço concorrente não pagar nada para a Prefeitura enquanto nós somos obrigados a pagar. Precisa rever isso”, justifica.

A manifestação seguiu até a Praça Mauá, em frente ao Paço Municipal.  O taxista Glauber Maia Martins declarou que a busca pelo serviço caiu 50% e se continuar assim, eles não sabem como vão fazer para se manter.

“O prefeito precisa sair de cima do muro e se posicionar em relação a esse assunto que já perdura há muito tempo. Nós pagamos taxas e os outros serviços não. Além disso, os clientes pagam bem menos nas viagens realizadas pelos aplicativos e consequentemente acabam migrando”, explicou Glauber.

Segundo ele, o prefeito teria prometido uma reposta aos taxistas, mas até o momento não se manifestou porque alega estar esperando uma decisão do âmbito federal.

Prefeitura

Por meio de nota, a Prefeitura de Santos informou que aguarda a decisão sobre o projeto de lei 5587/16, do deputado federal Carlos Zarattini, que definirá as competências para a regulamentação deste tipo de transporte nos municípios. A matéria está em tramitação no Senado.

Ainda de acordo com o documento, afirmou que nesta semana, a CET-Santos recebeu dos taxistas (sindicato e empresas operadoras de rádio) uma proposta para regulamentação do serviço de transporte individual privado. Ela será discutida na próxima semana pela companhia e representantes dos taxistas.

Já a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), explicou que há dois tipos de taxistas em atividade: o proprietário do veículo e da licença e o auxiliar. O primeiro é o permissionário do serviço, podendo também trabalhar na função. O proprietário paga dois tipos de encargos, anualmente. O ISS, no valor atual de R$ 561,84, e a taxa de licença fixa hoje em R$ 288,72. Ambos podem ser pagos em uma única vez ou em 12 parcelas iguais.

Os valores mensais correspondem a R$ 46,82 e R$ 24,06, respectivamente. A cidade tem 1.161 permissionários de serviço de táxi. Já o motorista auxiliar está isento de qualquer taxa/imposto.