SV vistoria área do Bugre e estuda obras contra alagamentos na região

Em conjunto com a Prefeitura de Santos, três secretarias de São Vicente planejam as medidas necessárias para beneficiar famílias assentadas em palafitas

Comentar
Compartilhar
24 SET 2021Por Da Reportagem19h30
O programa estadual possui investimentos de R$ 600 milhões e tem o objetivo de beneficiar 2.800 famílias das palafitas de toda a Baixada SantistaO programa estadual possui investimentos de R$ 600 milhões e tem o objetivo de beneficiar 2.800 famílias das palafitas de toda a Baixada SantistaFoto: Divulgação/PMSV

Em busca do apoio às pessoas em situação de vulnerabilidade social na área do Bugre, próximo a Avenida Penedo, a Prefeitura de São Vicente vistoriou a região na manhã desta sexta-feira (24) para planejar a implantação de uma estação elevatória de drenagem. A ação visa permitir a reconstrução do leito do Rio dos Bugres para o pleno escoamento e prevenção de alagamentos ou enchentes no local.

Um cronograma de serviços públicos está sendo traçado em conjunto com as secretarias de Habitação (Sehab), Desenvolvimento Urbano e Obras Públicas (Sedup), Projetos Especiais (Sepes), em conjunto com a Prefeitura de Santos e a Companhia de Habitação Popular (Cohab).

A partir da semana que vem, a Sehab tomará conta da regularização fundiária urbana e contabilizará o número de famílias, junto ao cadastro individual dos habitantes na área. Ao final do trabalho, os dados serão repassados à Cohab, que poderá encaminhar os cidadãos ao projeto ‘Vida Digna’. 

O programa estadual possui investimentos de R$ 600 milhões e tem o objetivo de beneficiar 2.800 famílias das palafitas de toda a Baixada Santista.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp: https://bit.ly/diariodolitoral
Mantenha-se bem informado.

A secretária de Habitação, Camila Oliveira afirma que haverá estudos sobre as situações de necessidade de auxílio-aluguel ou uma possível remoção definitiva.

Em caso de continuidade, com o diálogo humanizado e comprometido na busca pelo apoio ao próximo, a Secretaria de Assistência Social (Seas) dará o amparo necessário às pessoas em situação de vulnerabilidade.

Plano Diretor de Macrodrenagem - O terceiro passo ficará a cargo da Sedup. Por meio do Plano Diretor de Macrodrenagem, a pasta planeja as primeiras ações e os gastos necessários na área. O secretário Paulo Fiamenghi, explica que a estação elevatória de drenagem serve como uma forma de coletar o excesso de água do canal, o que impediria o acúmulo nas casas e nas ruas. 

Da linha do Sá Catarina com a bacia do Catiapoã, até a Ilha Sambaiatuba, a obra poderá beneficiar os três canais do Município.

Como forma de amenizar os impactos ambientais, Fiamenghi aponta que a pasta também estuda a possibilidade de uma ação emergencial para a implantação de comportas, mesmo sem a elevatória nesse primeiro momento, o que já diminuiria parte do problema.

É importante frisar que o remanejamento das famílias assentadas em palafitas é necessário, devido ao risco iminente de queda das moradias. Entretanto, a Prefeitura segue estudando o local para pensar nos próximos passos.