Sol reaparece em Nova York, mas caos continua

Em todo o país ao menos 61 pessoas morreram. A maioria por queda de árvores

Comentar
Compartilhar
01 NOV 201213h15

O sol apareceu na manhã de ontem em Nova York, mas o caos continua na cidade. As avenidas de Manhattan ficaram completamente congestionadas e no sul da ilha, a área mais afetada pelo furacão Sandy, ainda há lama nas ruas e nos prédios, além de regiões sem energia elétrica e cheiro de diesel por causa dos geradores.

O transporte público ainda não voltou a operar totalmente. Apenas parte dos ônibus está circulando, com atrasos e com tarifas gratuitas. O metrô permanece fechado, com previsão de abertura apenas daqui a três dias. Os trens também não funcionam. Não é possível, por exemplo, de ir de Nova York a Boston de trem.
 
Casas cercadas pelas enchentes causadas pela passagem da supertempestade em Delaware, na região nordeste, dos EUA

Nas principais avenidas de Manhattan, o trânsito ficou completamente parado. Os táxis foram autorizados a pegar nas ruas mais de um passageiro. O prefeito da cidade, Michael Bloomberg, tocou às 9h30 (11h30 de Brasília), o sino de abertura da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE, na sigla em inglês), depois de dois dias de pregão fechado, coisa que não acontecia desde os atentados de 11 de setembro de 2001. As peças da Broadway voltaram a ser encenadas na noite de ontem. 
 
Obama visita vítimas 
 
O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, em campanha pela reeleição, visitou ontem Nova Jersey para inspecionar a devastação generalizada causada pela supertempestade Sandy na Costa Leste dos EUA e do Canadá. Com as pelo menos 61 pessoas mortas nos EUA e milhões afetadas pelos ventos fortes, cortes de energia e inundações, Obama cancelou aparições de campanha no Estado chave de Ohio para supervisionar a resposta do governo à tragédia.

Obama foi recebido no aeroporto de Atlantic City pelo governador de Nova Jersey, o republicano Chris Christie, que normalmente critica bastante o presidente. Mas Christie elogiou a postura de Obama durante os socorros e resgate aos atingidos pelo desastre. Segundo ele, Obama teve uma postura “maravilhosa” na gestão do desastre.

Logo após chegar a Atlantic City, Obama e Christie partiram no helicóptero Marine One para um voo de uma hora, onde inspecionaram a devastação provocada por Sandy nas cidades costeiras de Nova Jersey, talvez o Estado mais atingido pela supertempestade. Para parte do eleitorado, Obama pode ter parecido acima das disputas partidárias, ao cooperar com o governador Christie e ao participar dos trabalhos de recuperação dos estragos em Nova Jersey.