Sindserv alerta sobre OSs

Sindicalista criticou projeto enviado pela Prefeitura

Comentar
Compartilhar
03 DEZ 201310h26

O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Santos (Sindserv), Flávio Saraiva, pediu ontem aos vereadores  para votarem contra o projeto de lei do Executivo estabelecendo os critérios para parcerias da Prefeitura com Organizações Sociais (OSs).

Segundo Saraiva, a primeira votação do projeto deve ocorrer na próxima sessão, na quinta-feira. Entre outras fortes críticas, o sindicalista citou o problema de uma OS criado para uma prefeitura da região: a de Praia Grande. A entidade cuida de uma unidade de Saúde, e a Administração Municipal chegou a admitir ter problemas na fiscalização e na prestação de contas.

Em todo o País, as OSs estão tomando conta de vários serviços públicos. O presidente do Sindserv acredita que empresas privadas, disfarçadas de OSs, podem “sugar os cofres públicos”. Esses contratos, destacou, “poderão endividar o Município por décadas”.
Saraiva criticou ainda o fato de as OSs alegarem ser entidades sem fins lucrativos, mas, em alguns casos, os responsáveis recebem salários de até R$ 100 mil.

Médico assassinado

Boa parte dos pronunciamentos feitos ontem em plenário foi pedindo mais segurança na região. A viúva e o filho do médico Marco Antonio Loss, assassinado sábado após deixar de atender no Hospital Ana Costa, acompanharam a sessão.

A presidente da Associação Paulista de Medicina, Lourdes Teixeira Henriques, e o presidente da Unimed, Raimundo Vianna de Macedo, também falaram da falta de segurança.

Projeto do prefeito Paulo Alexandre Barbosa será avaliado na quinta-feira (Foto: Matheus Tagé/DL)