Servidores de Praia Grande em greve dão trégua de 72 horas

Categoria manterá posição até conseguir respostas para itens da pauta de reivindicações

Comentar
Compartilhar
01 JUN 2017Por Da Reportagem10h00
Dezenas de funcionários públicos participaram do movimento que começou às 7h30Foto: Divulgação

Os servidores públicos de Praia Grande deram uma trégua à Administração Alberto Mourão (PSDB). Ontem, conforme informou o Sindicato dos Trabalhadores Municipais da Estância Balneária de Praia Grande, a diretoria foi chamada para uma reunião de reinício de negociações e a categoria resolveu permanecer por 72 horas em estado de greve até que consiga respostas positivas sobre os 19 itens reivindicados pelos trabalhadores.

O prazo termina no sábado e, caso nada mude, a possibilidade de retomada de greve será na segunda-feira (5).          

O movimento começou às 7h30 e a suspensão foi decidida às 11 horas. A categoria tem 11 mil funcionários em sua base e os trabalhadores reivindicam 19 avanços, entre eles 15% de reajuste salarial, aumento de 29,2% para o cartão alimentação, passando de R$ 240,00 para R$ 300,00, vale-transporte intermunicipal, além de planos de saúde e de carreira.

A Prefeitura não se posicionou ontem sobre o retorno das negociações mas, conforme publicado pelo Diário semana passada, o Executivo de Praia Grande enviou projeto de lei de reajuste salarial à Câmara para votação em caráter de urgência.

Com 17 votos favoráveis e apenas dois contrários, o Legislativo aprovou o índice de 6% de aumento, o que vem causando indignação por parte do Sindicato e dos trabalhadores.   

A Administração apresentou aos vereadores as situações financeira e orçamentária do Município, deixando claro que mesmo com planejamento, sem possuir dívida flutuante e tão pouco uma dívida consolidada grande, a Cidade vem sofrendo as mesmas dificuldades enfrentadas nos municípios da Região Metropolitana da Baixada Santista, como queda brusca de arrecadação e aumento da despesa.

A Administração explica que para conceder a reposição da perda salarial em relação à inflação acumulada no período (4,08% maio 2016 à abril 2017) e mais ainda em propor um ganho real de 1,92%, será realizado um grande esforço. Ainda revela que os cálculos realizados para a concessão do reajuste de 6% demonstram um aumento da folha de pagamento de aproximadamente R$ 20 milhões somente neste ano e que o aumento de 12,5% no vale alimentação corresponde ao triplo da inflação ­acumulada.