Sereia ‘nasce’ pelas mãos de grafiteiro na orla de Santos

Comentar
Compartilhar
25 JUL 2021Por Da Reportagem20h02
Foto: Rogério Bomfim

Dedo pressionado no spray de tinta. De longe, os traços saem mais grossos. De perto, com jeito, traços mais finos. E assim vai nascendo uma sereia, no Boqueirão. A obra - um painel, o último de um conjunto de quatro - é de Roberto Dantas, o Beto, ou Crash, como é conhecido no mundo do grafite. Ele reservou parte da manhã deste domingo (25) para pintar o painel, acompanhado por outros membros do projeto Arte na Rua.

Segundo conta Beto, o projeto tem o apoio da Prefeitura de Santos, que libera espaços para a criação artística dos grafiteiros. Parte da obra deles pode ser vista em outros pontos da orla, como uma homenagem aos profissionais que combatem a covid-19 e outra, com elementos de linguagem urbana, ambas no José Menino.

O tema escolhido para o Boqueirão foi o mar. Nas demais três paredes de um pequeno depósito, caravelas, tubarões e um polvo. Segundo relata Crash, o spray usado é um especial para este tipo de trabalho e chega a durar até cinco anos. O tema "mar", conta, é para combinar com os desenhos no piso naquele trecho do Boqueirão.

Quem acompanhou o trabalho de Crash foi outro membro do grupo, Carlos Roberto da Silva, o Catts, que também já havia deixado sua marca nas outras partes do depósito no Boqueirão. "Grafite não é o mesmo que pichação. Nunca fiz pichação. Quem faz grafite não gosta de ser chamado de pichador".

RETOQUE

Caio Henrique de Castro Souza, o CH013, também se juntou ao grupo na manhã deste domingo. Com pincéis, ele foi retocar o painel, iniciado domingo passado, no qual tinha desenhado caravelas. Depois, usou spray para finalizar. "O grafite foi ganhando, ao longo dos anos, a aceitação do público. Antes era confundido com vandalismo".

PLATEIA

O trabalho dos artistas, na manhã ensolarada de domingo, chamou a atenção dos banhistas. Até uma pequena plateia se formou, com o pessoal de olhos atentos nos traços. A arquiteta Ana Andriani, da Capital, foi uma das que interromperam, por alguns minutos a ida à praia, para apreciar o trabalho dos rapazes. "Gosto de arte urbana. Cheguei a usar o grafismo de rua em um trabalho feito em um banco São Paulo. Gosto de ver e divulgar esse tipo de trabalho".

ONDE ENCONTRAR

Quem quiser conhecer mais o trabalho do projeto arte na rua pode conferir o instagram do grupo @cattsarteurba ou no face Carlos Silva (catts).