'Sensação de justiça', diz pai de universitário assassinado sobre prisão de ex-dono do Baccará

Após ficar quase um ano foragido, Vitor Alves Karam foi preso em um condomínio na capital

Comentar
Compartilhar
18 JUL 2019Por Gilmar Alves Jr.19h57
Isaías fez um apelo por denúncias sobre o paradeiro de Anderson Luiz Pereira Brito, que segue foragidoFoto: Nair Bueno/DL

Pai do universitário Lucas Martins de Paula, morto em julho do ano passado após ser agredido por seguranças do Baccará Bar & Grill, Isaías de Paula afirma que a prisão do empresário Vitor Alves Karam, localizado pela Polícia Militar após ficar quase um ano foragido, gerou uma sensação de que Justiça começou a ser feita. 

A prisão ocorreu por volta das 14 horas de quarta-feira (17) em um condomínio na Zona Oeste de São Paulo, após uma denúncia anônima, e Isaías recebeu um telefonema duas horas depois com a informação de que um dos dois foragidos havia sido capturado, mas ainda não tinha a certeza que se tratava se Karam, conforme declarou em entrevista ao Diário do Litoral. "Só fui ter certeza à noite, às 21h", relata. 

Na tarde desta quinta-feira (18), ele e a esposa, Claudia Cristina Martins de Paula, aguardavam informações sobre a possibilidade de transferência de Karam de São Paulo para uma unidade de detenção em Santos.

"Ele vai ouvir o meu grito. Nem que eu passe a madrugada toda lá", disse Claudia ao Diário.

Isaías diz que agradece a pessoa que fez a denúncia, que foi decisiva para a captura do procurado.

"Para mim, ele (Karam) é a principal pessoa de tudo que aconteceu ali, porque ele podia ter evitado. Ele tinha poder para isso na hora. As pessoas que estavam ali e agrediram meu filho eram subordinadas a ele. Então, ele tinha poder. Uma palavra só ele acabava com aquilo ali tudo. Então para mim ele é uma pessoa-chave dentro do que aconteceu ali", disse Isaías. 

Dois seguranças, Thiago Ozarias Souza e Sammy Barreto Callender, estão presos preventivamente desde o ano passado. Um terceiro, Anderson Luiz Pereira Brito, que era encarregado do setor, segue foragido. 

Isaías faz um apelo por denúncias sobre o paradeiro de Anderson e diz acreditar que em breve ele será localizado. 

O processo que apura o homicídio tramita na Vara do Júri de Santos. Ainda não houve pronúncia, decisão para que sejam submetidos a júri popular os quatro réus. 

"O que eu quero é isso: pena máxima para todos", afirma Isaías.

Anderson Luiz Pereira Brito segue foragido (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

O crime

Lucas foi espancado após contestar a marcação de uma cerveja de R$ 15 em sua comanda e teve traumatismo craniano na madrugada de 7 de julho de 2018. Ele morreu em 29 de julho na Santa Casa de Santos.

Thiago Ozarias desferiu, segundo o Ministério Público, violentos golpes na vítima. Sammy, ainda de acordo com o MP,  deu um soco no rosto do universitário, levando Lucas a cair já inconsciente ao chão. O crime foi captado por uma câmera de monitoramento de uma escola.

Colunas

Contraponto