Coronavírus

Secretaria Estadual da Habitação entrega 82 moradias em Peruíbe

Assinatura dos contratos e a entrega das chaves foram feitas de maneira administrativa para evitar aglomerações

Comentar
Compartilhar
18 MAR 2020Por Da Reportagem21h00

A Secretaria do Estado da Habitação, por meio da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), entregou, 82 apartamentos, no bairro Estância dos Eucaliptos, em Peruíbe, na Baixada Santista, nesta terça-feira, 19 de março. O conjunto habitacional, composto por seis edifícios, de cinco andares cada, recebeu investimentos de R? 12,6 milhões de reais.

Em virtude da pandemia de Coronavírus, a assinatura dos contratos e a entrega das chaves foram realizadas administrativamente, em parceria com a prefeitura de Peruíbe. O atendimento se deu de maneira escalonada, ao longo do dia. "Com essa medida, seguimos a orientação das autoridades sanitárias e do Governo do Estado, no sentido de evitar aglomerações de pessoas", explica do secretário da Habitação, Flavio Amary.

Os apartamentos de dois dormitórios são compostos por sala, banheiro, cozinha e área de serviço, têm 52 m2 e já vêm com piso cerâmico e azulejos nas áreas molhadas. O condomínio conta ainda com estacionamento com 43 vagas para automóveis, playground e praça de convivência. Três unidades de 38 m2, com apenas um dormitório, foram reservadas para portadores de deficiência, com mobilidade reduzida.

O conjunto habitacional é destinado ao assentamento de moradores de áreas de risco de Peruíbe. Adriana Coelho de Oliveira, 40 anos, é uma delas. Moradora da "Viela O" há dezoito anos, ela finalmente poderá contar com uma moradia digna. "Atrás da minha casa tem um mangue, quando chove, a rua inunda. É muito perigoso. Agora, sei que vou ter um imóvel legalizado, que poderei deixar para os meus filhos. Estou muito feliz", diz a vendedora, dona de uma barraca na praia.

O financiamento dos imóveis já segue as novas diretrizes da Política Habitacional do Estado de São Paulo, que preveem juros zero para famílias com renda mensal de até cinco salários mínimos. Assim, as famílias pagarão praticamente o mesmo valor ao longo dos trinta anos de contrato, que sofrerá apenas a correção monetária calculada pelo IPCA, o índice oficial do IBGE.

O valor das parcelas é calculado levando-se em conta a renda das famílias, que podem comprometer, no máximo, 20% dos rendimentos mensais com as prestações. Nessa entrega, 94% das famílias ganham entre um e um salário mínimo e meio. O valor mínimo da prestação é de R? 209,00.