X

Cotidiano

Saruês são aliados da saúde, afirma especialista

José Truda Palazzo Jr afirma que a interação entre os seres humanos e a espécie não pode ser vista como algo negativo

Igor de Paiva

Publicado em 26/02/2024 às 07:35

Atualizado em 26/02/2024 às 11:30

Comentar:

Compartilhe:

A-

A+

Dentro da legislação, os saruês são protegidos pela Lei 9.605/88, que atua diretamente nos crimes ligados ao fator ambiental / HAROLD BAUER / ARQUIVO PESSOAL

A presença de Saruês está cada vez mais notória na região da Baixada Santista, fato que pode se entrar na lista de preocupações da população local. No entanto, José Truda Palazzo Jr, membro atuante do Instituto Brasileiro de Conservação da Natureza (IBRACON), afirma que a interação entre os seres humanos e a espécie não pode ser vista como algo negativo.

Faça parte do grupo do Diário no WhatsApp e Telegram.
Mantenha-se bem informado.

Em entrevista concedida ao Diário do Litoral, ele explicou a importância dos animais para a manutenção da fauna regional e o porquê de não usarmos o termo infestação para se referir aos marsupiais. Em Santos, um prédio tombado é ocupado pelos saruês.

"Quando falamos em "infestação", o termo remete, por um lago, a um desequilíbrio, e por outro a algo ruim. Os saruês não "infestam" as nossas cidades; eles simplesmente são animais que, ao contrário de muitas outras espécies silvestres, aprenderam a conviver em espaços construídos, habitando muitas vezes em forros de telhados e outros espaços das construções", explica.

Além disso, o especialista deixou claro que a espécie não transmite nenhum tipo de doença, mas é na verdade uma aliada nessa questão. Por conta de sua dieta que conta com escorpiões-amarelos,carrapatos, baratas e camundongos, além de serpentes venenosas nas áreas rurais, o animal impede que os seres humanos tenham contato direito com as enfermidades e mazelas transmitidas por eles.

O alto fluxo de reprodução dos saruês é equilibrado pela vida curta na fase adulta. A média de vida de uma espécime é de apenas dois anos. " Vivem pouco tempo, cerca de um ano e meio a dois anos em vida livre, mas produzem grande quantidade de filhotes, que passam várias semanas crescendo na "bolsa" da mãe antes de poderem viver sozinhos. São animais de hábitos noturnos e geralmente solitários, que só se juntam para acasalar ou em locais com alimentação abundante", conclui.

Apoie o Diário do Litoral
A sua ajuda é fundamental para nós do Diário do Litoral. Por meio do seu apoio conseguiremos elaborar mais reportagens investigativas e produzir matérias especiais mais aprofundadas.

O jornalismo independente e investigativo é o alicerce de uma sociedade mais justa. Nós do Diário do Litoral temos esse compromisso com você, leitor, mantendo nossas notícias e plataformas acessíveis a todos de forma gratuita. Acreditamos que todo cidadão tem o direito a informações verdadeiras para se manter atualizado no mundo em que vivemos.

Para o Diário do Litoral continuar esse trabalho vital, contamos com a generosidade daqueles que têm a capacidade de contribuir. Se você puder, ajude-nos com uma doação mensal ou única, a partir de apenas R$ 5. Leva menos de um minuto para você mostrar o seu apoio.

Obrigado por fazer parte do nosso compromisso com o jornalismo verdadeiro.

VEJA TAMBÉM

ÚLTIMAS

Diário Mais

Saiba os melhores pontos para observação de Ovnis no litoral de SP

Os locais citados estão em Peruíbe

Artigo

O Porto, a terceira pista e a esfinge da mobilidade

Temos hoje um cenário de crescimento, que vai ampliar significativamente os marcos de produção

©2024 Diário do Litoral. Todos os Direitos Reservados.

Software

Newsletter