São Vicente dobra a quantidade de médicos do SAMU e resolve problema de seis anos

Com a contratação de profissionais, serviço passa a ter médicos nas ambulâncias, algo que há tempos não acontecia na Cidade

Comentar
Compartilhar
21 JUL 2021Por Da Reportagem18h32
A Sesau de São Vicente ampliou o número de médicos presentes no Serviço de Atendimento Móvel de UrgênciaA Sesau de São Vicente ampliou o número de médicos presentes no Serviço de Atendimento Móvel de UrgênciaFoto: Divulgação/PMSV

A secretaria de Saúde (Sesau) de São Vicente ampliou o número de médicos presentes no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), de sete para 14 profissionais. Em sete meses de gestão, essa já pode ser considerada uma das maiores conquistas do Município na área da Saúde. 

Como era antes

O SAMU de São Vicente tinha sete médicos, com cada um atuando cada dia da semana, 24 horas com escalas. Eles ficavam responsáveis por fazer a regulação dos pacientes, ou seja, classificando o grau de urgência de cada chamado durante os acionamentos via 192.

Como é agora

Hoje o serviço conta com dois médicos por turno, sendo um responsável pela regulação dos chamados que chegam à central de atendimentos e o outro para tripular a ambulância UTI, quando necessário (quando o chamado é classificado com código vermelho, com risco iminente à vida).

“Essa é uma grande vitória para o Município que, mesmo com toda a dificuldade financeira, consegue ampliar e melhorar um atendimento fundamental para salvar vidas, como é o SAMU. Com os médicos a bordo das ambulâncias, já conseguimos reverter diversas paradas cardiorrespiratórias e salvar diversas vidas em ruas ou residências. Com planejamento e responsabilidade vamos, aos poucos, melhorando a vida do vicentino com saúde de qualidade”, explica a secretária de Saúde, Michelle Santos.

Ainda de acordo com Michelle, os profissionais contratados são todos médicos altamente qualificados e com ampla experiência em atendimentos pré-hospitalares. “Um primeiro atendimento bem executado faz toda a diferença na luta pela vida até a chegada ao hospital, e agora podemos dizer que essa batalha fica um pouco mais a nosso favor”, comemora a secretária.