SABESP AGOSTO DESK TOPO
SABESP AGOSTO MOB

São Paulo terá 151 novas linhas de ônibus na madrugada

Hoje, já existem 98 percursos de ônibus que funcionam nessa faixa de horário, mas os intervalos tendem a ser bem maiores e irregulares

Comentar
Compartilhar
12 FEV 201514h05

A partir do dia 28, deve ficar um pouco menos complicado se deslocar de transporte público à noite em São Paulo. É nessa data que começam a funcionar as 151 novas linhas de ônibus que operarão de madrugada na cidade, num total de 454 veículos. Trata-se de uma meta da gestão Fernando Haddad (PT), que agora promete um intervalo de 15 minutos de espera entre meia-noite e 4h nas grandes avenidas estruturais. Isso abrange 50 itinerários de coletivos em avenidas como a Paulista, a Radial Leste e a Atlântica.

Hoje, já existem 98 percursos de ônibus que funcionam nessa faixa de horário, mas os intervalos tendem a ser bem maiores e irregulares. O representante comercial Daniel Francisco dos Santos, de 37 anos, mora na Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte, e diz que pacientes, visitantes e trabalhadores do hospital municipal que funciona no bairro ficam reféns da ineficiência do serviço de ônibus após as 0h. "Só passa um único ônibus na linha que vai até o centro, até a Praça do Correio, e você tem que esperar uma hora e meia no ponto até ele voltar. É mais fácil dormir ali mesmo", afirma.

O trajeto mais longo feito pela rede noturna de Haddad terá 56,5 quilômetros de comprimento, ligando o Terminal A.E. Carvalho, na zona leste, ao Terminal Parque Dom Pedro II, no centro. A quilometragem percorrida pelos ônibus nesse itinerário equivale à distância entre a capital e a cidade de Jundiaí.

Essa será uma das 50 linhas estruturais do sistema madrugador, ou seja, o que conectará os bairros à região central, passando geralmente por grandes avenidas. Além delas, 101 itinerários realizarão percursos locais, dentro dos próprios bairros, como a boêmia Vila Madalena, na zona oeste. Nesse caso, a espera no ponto será de até 30 minutos, segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), responsável por gerenciar os ônibus.

A menor linha de todas, com 5,9 km, fará o percurso entre o Terminal Sacomã e o Hospital Heliópolis, ambos na zona sul. Além dos 34 terminais, a cidade inteira contará com 160 pontos de conexão entre linhas noturnas. No ano passado, a SPTrans chegou a divulgar que esses lugares receberiam reforço na iluminação, para ampliar a sensação de segurança dos passageiros.

A partir do dia 28, deve ficar um pouco menos complicado se deslocar de transporte público à noite em São Paulo (Foto: Milton Michida/GOVESP)

Lua

Os coletivos pertencentes à frota madrugadora terão alguns símbolos para distingui-los dos demais. Antes do número da linha a letra N indicará que o serviço é noturno. Por exemplo, a que atenderá a Avenida Paulista será grafada desta forma: N506/11 (Terminal Sacomã - Metrô Vila Madalena).

O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, diz que outro sinal marcará esses veículos. "Acho que vai ficar (a imagem de) uma lua com o N. O pessoal do marketing está trabalhando nisso. O usuário vai ter uma identificação de que aquela linha é noturna, tanto nos ônibus quanto nos pontos, porque tem linhas dessas que não funcionam durante o dia." O dirigente afirma que está sendo avaliado onde o adesivo com a lua será afixado, em virtude de restrições do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

Igreja

Os passageiros já começam a fazer planos para usar as linhas noturnas. A aposentada Laici Pinto de Matos, de 65 anos, conta que pretende passar a frequentar as vigílias que sua igreja promove de madrugada uma vez por semana. Ela mora no Jardim Pery na zona norte, e frequenta o culto no Brás, na região central. "Nunca consegui ir porque hoje não tem como voltar para casa, porque tudo já está fechado, metrô, trem e não passa quase ônibus."

Já o vendedor Kiomo Ferreira, de 22 anos, afirma que quer voltar a estudar. "Deixei de fazer a monografia do curso que estudava, Design Gráfico, porque estava ficando muito cansado para voltar para casa à noite e esperar muito os ônibus."