São Bento ganha mural em alusão aos direitos humanos

Obra está instalada na encosta do Morro, dentro da área do Complexo Esportivo e Cultural Marina Magalhães

Comentar
Compartilhar
14 DEZ 2018Por Rafaella Martinez08h40
Instalação feita com técnicas de aerografia faz parte do projeto contemplado por uma emenda do vereador Ademir PestanaInstalação feita com técnicas de aerografia faz parte do projeto contemplado por uma emenda do vereador Ademir PestanaFoto: Nair Bueno/DL

Todo ser humano deveria nascer livre e igual em dignidade e direitos. Sem distinções. Com o direito à vida, à educação, à saúde e participação democrática. As metas simples – e ao mesmo tempo aparentemente inalcançáveis no mundo atual – estão listadas na Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada na Assembleia Geral das Nações Unidas, em Paris, como uma resposta aos horrores da Segunda Guerra Mundial. Parte dessa história pode ser contemplada no painel artístico de Daniel Alves, o Daniel Artes, instalado na subida do Morro São Bento, em Santos.

A instalação, feita com técnicas de aerografia, faz parte do projeto contemplado por uma emenda parlamentar do vereador Ademir Pestana que instalou, no mês passado, um mural em alusão à consciência negra na subida do Monte Serrat.

“Convidamos o Daniel para fazer uma renovação do mural que ele já havia pintado há cinco anos, naquela ocasião sobre as belezas de Santos. Dessa vez ele faz uma releitura da luta pela conquista dos Direitos Humanos nesse espaço cujos textos visuais se comunicam”, destaca o bacharel em Comunicação Orlando Rodrigues, apontando para a instalação ‘pilares de Santos’, nas vigas da rodoviária.

No mural que deve ser finalizado hoje, as palavras ‘Liberade’, ‘Igualdade’ e ‘Fraternidade’ são acompanhadas pelo símbolo da Organização das Nações Unidas (ONU), por homens e mulheres de todas as etnias e nacionalidades e pela releitura do quadro ‘A Liberdade guiando o povo’ (em francês: La Liberté guidant le peuple), pintura de Eugène Delacroix em comemoração à Revolução de Julho de 1830, propulsora da declaração.

“No quadro duas pessoas observam uma mulher pisando em corpos carregando a bandeira da França ao lado de um menino que carrega armas. Aqui no mural essa mulher é uma professora, carregando a bandeira da educação ao lado de um menino que levanta um diploma, ambos observados por dois alunos. Eu acredito que só a educação transforma”, conta Daniel, artista que há mais de 20 anos preenche de arte os muros das cidades.

Ele explica que o mural mescla arte urbana, popular e grafite para falar de forma leve de um assunto tão complexo. “Esse assunto está sempre na boca do povo, mas é preciso refletir o que são os direitos humanos e como eles se aplicam em nossas vidas, afinal, somos todos iguais”, finaliza o artista. A obra está dentro do Complexo Esportivo e Cultural Marina Magalhães.