Santos tem um carro para cada 1,6 habitante

Dados da Prodesp apontam que frota de veículos corresponde a 61,5% da população da Cidade

Comentar
Compartilhar
22 JAN 201323h39

Santos tem um carro para 1,6 habitante, ou seja, são 256.414 veículos em uma cidade com 417 mil habitantes. Os números informados pela Companhia de Engenharia de Tráfego de Santos (CET-Santos) são referentes aos licenciamentos registrados pela Companhia de Processamento de Dados do Estado de São Paulo (Prodesp) com base agosto de 2009. 

Outro levantamento feito a partir do cruzamento de dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran) com o censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apontou nesta semana que a cidade polo da Baixada Santista é um dos 58 municípios mais populosos do País com excesso de veículos.

Conforme os dados do Denatran atualizados até maio deste ano, Santos tinha 218 mil veículos para 417 mil habitantes (dados do IBGE). O diretor-presidente da CET-Santos, Rogério Crantschaninov, disse que o aumento da frota comparado à população da cidade é “uma realidade visível”.

Crantschaninov analisa que a frota de veículos continuará crescendo na Cidade e que a CET-Santos estuda e aplica medidas para melhorar as condições de tráfego.

O diretor-presidente da CET-Santos afirmou que desde ontem está em curso o Programa Permanente de Carona Solidária. Crantschaninov explicou que o programa foi apresentado a representantes de escolas particulares, com o intuito de conscientizar os pais dos alunos a aderirem à carona para baixar o volume de carros nas portas das escolas.

O programa de conscientização que tem por objetivo a qualidade de vida e do trânsito na zona urbana, principalmente nos horários de pico da manhã e da tarde, será estendido, também, aos condutores de transporte escolar e aos ônibus seletivos. Para a empresa concessionária dos seletivos será proposta mudança nos horários de circulação dos ônibus de modo a desafogar o trânsito.

Crantschaninov ressaltou que a conduta do motorista é determinante para a qualidade do trânsito de Santos. “As pessoas devem usar seus carros quando for realmente necessário, e não pegar o carro para fazer qualquer coisa. O motorista deve fazer uso racional do seu veículo”, afirmou.