Santos inicia campanha de conscientização sobre atendimento às pessoas em situação de rua

As equipes se dividiram na orla, entre os sete canais da cidade, explicando quais são as ações de acolhimento oferecidas por meio do Programa Novo Olhar

Comentar
Compartilhar
20 FEV 2021Por Da Reportagem21h19
Munícipes são informados como podem contribuir para as ações acionando a central de atendimento para orientações e denúnciasFoto: SUSAN HORTAS/PMS

O que você faria em uma manhã de sábado ensolarada em Santos? Para boa parte dos santistas, essa situação é um convite para caminhadas e práticas de esportes individuais nas praias da Cidade. Mas, para 15 voluntários, foi dia de se juntar aos profissionais de abordagem da Secretaria de Desenvolvimento Social (Seds), da Prefeitura de Santos, no primeiro dia da campanha de conscientização sobre o atendimento às pessoas em situação de rua na Cidade.

As equipes se dividiram na orla, entre os sete canais da cidade, explicando quais são as ações de acolhimento oferecidas por meio do Programa Novo Olhar. Além disso, os munícipes são informados como podem contribuir para as ações acionando a central de atendimento para orientações e denúncias, o telefone 153. "Tem sido uma experiência muito bacana. A maioria das pessoas não sabe que a Prefeitura disponibiliza esse tipo de serviço. Daí a importância da orientação, de dizer que existe um centro onde as pessoas podem encontrar uma assistência social", salientou Grasiela Eismann, voluntária da Cruz Vermelha, que fez parte da equipe de abordagem. 

"O mais importante é socializar todas as informações dos serviços de atendimento à população em situação de rua. A gente faz um convite à sociedade para conhecer todas as nossas etapas de atendimento, seja pelos serviços 24h de acolhimento ou de saúde, como o SAMU, se houver necessidade. Acho que a gente quebra um pouco do pré conceito desse tipo de serviço quando abre as portas do nosso atendimento e mostra de que forma é realizado esse trabalho humanizado de todas as equipes", enfatizou o secretário de Desenvolvimento Social, Carlos Alberto Ferreira Mota. 

No total, a Cidade oferece 286 vagas em seis abrigos. O atendimento inicial é realizado no Centro Pop, que fica na Rua Amador Bueno, 446 (Centro). "Não conhecia esse serviço. Mas acho muito importante o trabalho de convencimento para ver quem realmente quer ser reinserido na sociedade, porque são inúmeros motivos que levam alguém para a rua", destacou Margarete Paiva, que mora no Embaré e foi abordada pela equipe próximo ao Canal 4.