Santos amplia atividades de compostagem e prepara pátio para resíduos orgânicos

O novo local receberá cerca de 6 toneladas por dia de resíduos orgânicos provenientes de feiras livres e da poda urbana

Comentar
Compartilhar
11 ABR 2019Por Da Reportagem15h30
O programa tem uma vertente em educação ambientalO programa tem uma vertente em educação ambientalFoto: Divulgação/PMS

O programa de incentivo à reciclagem de resíduos sólidos orgânicos da Prefeitura ganhou reforço neste último mês. O Composta Santos (http://www.santos.sp.gov.br/?q=hotsite/composta-santos), da Secretaria de Meio Ambiente (Semam), passou a contar com cinco estagiários dos cursos de Biologia, Engenharia Ambiental e Engenharia Química e se prepara para - em alguns meses - inaugurar o Pátio de Resíduos Orgânicos.

O novo local, uma área de mais de 800 m2 localizada no bairro da Alemoa, receberá cerca de 6 toneladas por dia de resíduos orgânicos provenientes de feiras livres e da poda urbana. O sistema utilizado será a disposição em leiras (sobreposição dos materiais orgânicos que permite a compostagem de grandes volumes) e o adubo gerado, denominado biofertilizante, será usado em áreas verdes como parques municipais e praças públicas.

O projeto encontra-se em fase de licenciamento ambiental e, posteriormente, haverá abertura de licitação para construção de setor administrativo do local. 

Educação ambiental

O programa tem uma vertente em educação ambiental, com incentivo à multiplicação de conceitos como redução do impacto ambiental do resíduo domiciliar nos aterros sanitários e minimização do desperdício de alimentos.  Também vem sendo intensificado junto à sociedade o acompanhamento de 54 composteiras distribuídas no ano passado em escolas, organizações não governamentais, universidades e condomínios.

"Passado o processo inicial da distribuição e treinamento, temos visitado periodicamente os locais para avaliar o trabalho desenvolvido e ajudar as equipes a fazerem o alinhamento de sua realidade dentro dos conceitos propostos no projeto", explica o inspetor ambiental da Semam, André da Silva Nascimento.

Uma das instituições participantes do projeto é o Fórum da Cidadania, localizado na Estação da Cidadania (Avenida Ana Costa, 340). Sob cuidados do paisagista e voluntário Dionísio Matheus de Andrade, 63 anos, a geração de adubo para a horta do espaço melhorou com a chegada da composteira.

"Antes, a gente fazia compostagem em sistema de leiras, jogando os resíduos diretamente no chão. Mas como o solo não é impermeável, não conseguíamos aproveitar o biofertilizante. Agora, com a composteira da Prefeitura, fica mais fácil, temos o adubo necessário para cultivar nossa horta e ainda conseguimos distribuir para quem quiser", explica o voluntário. Os interessados em conhecer o sistema de compostagem podem agendar visita ao local pelo telefone 3221-2034 ou [email protected]

Para o engenheiro agrônomo da Semam e gestor do projeto, Paulo Marco de Campos Gonçalves, o projeto faz parte de uma somatória de práticas sustentáveis. "Se pudéssemos imaginar um mundo perfeito, seria uma sociedade onde as pessoas jogassem o mínimo de resíduos fora e que aproveitassem ao máximo os alimentos. O que realmente não fosse próprio para consumo, isso sim, iria para a compostagem domiciliar ou em um espaço coletivo de produção, como por exemplo uma escola ou horta comunitária".