CAMPANHA DE 1 A 11

Santista vende tempero há 24 anos no Canal 2

Figura conhecida no bairro, Sr Eronides comprou o carrinho de um amigo e desde então ganha a vida como vendedor.

Comentar
Compartilhar
16 DEZ 2019Por Vanessa Pimentel08h04
Quando o movimento está fraco, as horas passam enquanto ele lê.Foto: NAIR BUENO/DIÁRIO DO LITORAL

Há 24 anos, Eronides de Oliveira sai do apartamento onde mora na Rua Evaristo da Veiga, em Santos, e caminha poucos metros empurrando seu carrinho para chegar até o local onde trabalha: a calçada que faz esquina com a Avenida Bernardino de Campos - mais conhecida como Canal 2.

De terça a domingo, das 8h às 12h30, é ali que Eronides, 80 anos e fã de musculação, bate o ponto imaginário, abre o guarda-sol, posiciona a cadeira, afofa o assento com uma almofada e espera pelos clientes que gostam de comprar o que só ele oferece por aquelas bandas: temperos moídos na hora.

Tem páprica, orégano, louro, pimenta e muito mais.

Quando o movimento está fraco, as horas passam enquanto ele lê. Gosta de livros que contam histórias da Segunda Guerra Mundial. "Meu pai falava muito desse tempo, do que foi o nazismo e eu cresci curioso sobre esse assunto", diz, enquanto mostra um dos exemplares preferidos: "O Caráter e a Grandeza De Winston Churchill".

O homem era primeiro-ministro do Reino Unido durante a Segunda Guerra Mundial e desempenhou um papel fundamental no combate ao fascismo.

O passado de Eronides também teve suas lutas. Nascido no Morro do Pacheco, foi um grande amigo de Paulo Gomes Barbosa, ex-prefeito de Santos e pai do atual, Paulo Alexandre Barbosa. "Nós éramos companheiros no futebol de várzea", conta.

Durante a juventude trabalhou com carga e descarga no Porto de Santos, se sindicalizou e lutou pela manutenção dos direitos trabalhistas.

Aos 45 anos se aposentou, mas trabalhou por mais de dez após o que, na teoria, deveria ser tempo de descanso. Foi segurança no Shopping Parque Balneário, depois em uma empresa portuária e porteiro no Santos Futebol Clube.

Até que um velho amigo ofereceu o carrinho de moer temperos na hora. "Eu aceitei. Comprei dele e um tempo depois ele faleceu. Esse carrinho aqui é muito antigo. Deve ter mais de 40 anos", acredita.

Depois de assumir o pequeno negócio ambulante, é assim que Eronides faz para ganhar a vida. Casado há 53 anos, saia mais para participar de serestas - seu programa favorito - mas a esposa teve um AVC (Acidente Vascular Cerebral) e é ele quem cuida dela.

Dessa união tiveram quatro filhos, um deles falecido aos 40 anos devido a um infarto fulminante. "Ele amava carnaval e fazia parte de escolas de samba de São Paulo e Santos", explica.

Porém, outro filho também seguiu pelo caminho carnavalesco a atualmente é o mestre-sala 'Sorriso', da escola santista Mãos Entrelaçadas.

A paixão pela música não só passou de pai para filho, como estampa também o carrinho de Oliveira. Ali, fotos de amigos seresteiros fazem companhia a ele nos dias em que a seresta ainda está longe de tocar.

"Mas quando chega sábado minha rotina muda. Eu fecho o carrinho e vou tocar percussão na seresta que acontece atrás de uma vinícola no Canal 1", explica.

Sem mais detalhes, ele diz que o lugar é cheio de histórias que dariam uma boa matéria para o jornal, mas para isso, "a reportagem terá de ir até lá", brinca mais um desses personagens cotidianos da Baixada Santista.