Saiba como requerer transporte especial na Baixada Santista

Cidades da Região oferecem serviço para acamados ou com mobilidade reduzida

Comentar
Compartilhar
18 OUT 2019Por Vanessa Pimentel07h30
Em Guarujá, já foram realizadas mais de 670 remoçõesFoto: Divulgação

As cidades da Baixada Santista possuem serviço de transporte especializado para pessoas com mobilidade reduzida, cadeirantes e acamados. O objetivo é assegurar que esses munícipes possam comparecer em consultas e exames eletivos dentro ou fora de seus municípios, de acordo com cada caso.

Em Santos, há cinco veículos adaptados para transportar pacientes cadeirantes. Só neste ano, 1.123 pacientes utilizaram os serviços. No caso de pacientes acamados, o transporte é feito por ambulância do SAMU.

Para solicitar o serviço, basta ir até a policlínica do bairro onde reside. Quem não tem cadastro na unidade, precisa apresentar documento de identidade, CPF, comprovante de residência e Cartão SUS.

Em São Vicente, foram entregues em janeiro deste ano três veículos adaptados com capacidade para 11 pessoas, sendo um lugar exclusivo para cadeirante. Eles contemplam cerca de 40 pessoas com deficiência por dia e seus acompanhantes.

A utilização e inclusão dos pacientes no transporte adaptado são exclusivas para realização dos tratamentos nas unidades de reabilitação dentro da cidade.

Há, ainda, um veículo de passeio com capacidade para quatro pessoas, onde são transportados pacientes debilitados para sessões de radioterapia e quimioterapia.

Em Cubatão, existem 10 veículos Sedan que levam os pacientes para realizar exames eletivos dentro e fora da cidade.

Para ter direito ao serviço, é preciso se cadastrar no Setor de Remoção da Secretaria Municipal de Saúde, preencher o cadastro e levar os documentos pessoais e cartão SUS. Para agendamento do veículo para exames/consultas é necessário levar também o pedido médico. Atualmente, 4100 pessoas são cadastradas.

Mongaguá utiliza duas vans, cada uma com 15 lugares, para transporte especial dentro da cidade. Para exames fora do município, o serviço é terceirizado.

Recentemente, a prefeitura adquiriu dois micro-ônibus adaptados, com 24 lugares cada, que gradativamente irão absorver a demanda de Transporte para Fora do Domicílio, o TFD.

Para ter acesso, é preciso comparecer à Central de Agendamentos da Diretoria Municipal de Saúde, e apresentar a guia do exame/procedimento, e os documentos pessoais do paciente.

Em Itanhaém, casos mais graves ou de pacientes acamados são atendidos por oito carros com capacidade de 5 lugares. Para o benefício é necessário entrar em contato com a Central de Agendamentos pelo telefone (13) 3426-7914.

Em Guarujá, desde a implantação, em julho deste ano, o Serviço Público Especial de Transporte de Pessoas com Deficiência em Veículos Adaptados realizou mais de 670 remoções.

O balanço se refere ao período entre 24 de julho e 30 de setembro. Atualmente, há 47 pacientes cadastrados.

O atendimento é feito por vans adaptadas e destinado ao transporte gratuito de pessoas com deficiência que apresentem comprometimento severo da mobilidade, que inviabilize o acesso e o uso do transporte público coletivo convencional. Além disso, é garantido o transporte para o acompanhante.

É o caso de Aparecido Fernandes Araújo, morador da Enseada. Há 10 anos, ele teve um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVCI) irreversível. Além de perder o movimento do lado esquerdo, ele adquiriu uma hérnia de disco que causa sérias dores. Quem o acompanha na fisioterapia é sua irmã, Marta Fernandes Mangueira.

"Antes, para ir até a fisioterapia, nós dependíamos de parentes e amigos, pois ir de ônibus era muito complicado. Hoje, a van pega na porta de casa", afirmou Marta Fernandes.

Para ter acesso ao transporte especial, é preciso comprovar o comprometimento severo da mobilidade que inviabilize o acesso e o uso do transporte público coletivo convencional. Basta solicitar formulário nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), Usafas e nos Centros de Reabilitação.