Banner gripe

Sabesp retira em 2018 mais de 2 mil toneladas de lixo do sistema de esgoto da Baixada Santista

Por isso a companhia executou, ao longo de janeiro a dezembro do ano passado, mais de 14 mil desobstruções em tubulações para esgotamento sanitário das nove cidades

Comentar
Compartilhar
11 ABR 2019Por Da Reportagem19h02
Técnicos trabalham para desentupir e limpar as instalaçõesFoto: Divulgação/Sabesp

Ao longo do ano de 2018, a Sabesp retirou 2,2 mil toneladas de detritos sólidos e 3,5 mil toneladas de areia em gradeamentos e peneiras das 310 unidades de bombeamento e 18 estações para tratamento dos esgotos coletados nas nove cidades da região metropolitana da Baixada Santista. É um material que deveria ter o lixo como destino e não vasos sanitários, ralos e pias. Em 2019, entre janeiro e fevereiro foram retirados 420.430 quilos de lixo e 561.560 quilos de areia – volumes que já representam, respectivamente, 18,3% e 15,9% da quantidade total do ano passado.

Após um fevereiro com recorde de chuvas, vários locais – principalmente nas altas da maré – foram afetados por alagamentos. E o sistema de esgoto pode ser prejudicado se receber irregularmente as chuvas: seja pelos ralos dos imóveis ou levantando-se as tampas dos poços de inspeção das redes nas ruas. Isso faz os resíduos entupirem as tubulações e danificarem equipamentos que bombeiam os dejetos às estações de tratamento.

Durante este período de chuvas fortes, técnicos trabalham para desentupir e limpar as instalações, enquanto caminhões são utilizados para sugar à vácuo os esgotos a fim de evitar extravasamentos. De janeiro a dezembro de 2018, técnicos executaram exatamente 14.805 manutenções para desobstruções em ramais e coletores de esgotos das nove cidades.

Para manter a operação do sistema de esgotamento sanitário normalizado, a empresa ainda atua junto às administrações municipais para buscar a qualidade dos atendimentos prestados. Evita-se o entupimento das redes e o refluxo dos esgotos com o escoamento correto de ralos e calhas nas galerias de águas pluviais. A saída pluvial reúne a chuva e a água de lavagem que escoa por ralos e calhas. Já a rede de esgoto recebe resíduos do vaso sanitário, chuveiro, pias e tanque.

A empresa tem constante trabalho de identificação de ligações feitas indevidamente, inclusive com o uso de técnicas como testes de corantes para identificar se a saída do esgoto domiciliar está sendo erroneamente direcionada às galerias de águas pluviais ou vice-versa. E ainda tem estreita parceria com as vigilâncias sanitárias dos municípios, responsáveis por fiscalizar, notificar e aplicar multa aos imóveis não conectados à rede. A Sabesp informa os locais onde existem redes disponíveis para população e os imóveis que não estão conectados.

A companhia investiu ao longo dos últimos 11 anos, R$ 4,2 bilhões (ou seja, mais de R$ 1 milhão por dia) em obras de saneamento na Baixada. Com isso, manteve em 100% o índice de cobertura do sistema de abastecimento público e ampliou para 80% a cobertura das redes coletoras de esgotos, passando por tratamento 100% do coletado. A empresa se mantém à disposição da população durante 24 horas na Central de Atendimento Telefônico, no 0800 055 0195 (ligação gratuita) – e na Agência Virtual do site www.sabesp.com.br e no aplicativo da Sabesp para Android e IOS.

Colunas

Contraponto