Rua do Peixe está com dias contados, avisa prefeito de Santos

Paulo Alexandre diz que situação da maioria das pessoas no local é irregular e anuncia novidades no trânsito do bairro

Comentar
Compartilhar
12 SET 2019Por LG Rodrigues07h00
Comerciantes que trabalham na Rua do Peixe afirmam que não sabem quem são os cinco selecionados que possuem permissãoFoto: Nair Bueno/DL

Os dias de comércio e da famosa gritaria para anunciar quem tem os pescados mais frescos podem estar chegando ao fim na conhecida 'rua do peixe', na Ponta da Praia de Santos. A mudança foi anunciada pelo prefeito Paulo Alexandre Barbosa durante uma coletiva concedida nesta quarta-feira (11) para anunciar novidades no trânsito do bairro após as obras no entorno do novo Mercado do Peixe.

A situação já se arrasta há anos. A Rua Dona Aurea Gonzalez Conde, popularmente conhecida como Rua do Peixe, se tornou o lar de dezenas de comerciantes ainda durante os anos 80. Sofrendo com a falta de estrutura básica como a disponibilização de banheiros e outros recursos, todos os trabalhadores do local tentaram por anos uma transferência para uma região mais apropriada para poder continuar com suas atividades.

Os comerciantes que se instalaram no local acreditavam que com o novo Mercado do Peixe, eles finalmente seriam deslocados para o empreendimento da Prefeitura de Santos e passariam a contar com mais infraestrutura. Apesar disso, os planos da administração municipal revelaram que o novo equipamento só contaria com 20 boxes e que destes, 15 estariam reservados para os mesmos proprietários que hoje se encontram no Mercado do Peixe, localizado atualmente na Praça Gago Coutinho.

Durante a gestão do então governo João Paulo Tavares Papa, a administração municipal obteve uma área cedida pelo governo federal e que seria destinada a todos os comerciantes do Mercado de Peixe. Já após a posse do atual prefeito, Paulo Alexandre Barbosa, a prefeitura alterou o projeto e recusou a área que havia sido cedida. Este episódio antecedeu o projeto da remodelação da Ponta da Praia.

O prefeito Paulo Alexandre Barbosa disse durante entrevista que não existem 24 comerciantes com permissão para atuar na Rua do Peixe e afirma que a situação da maioria das pessoas que atua no local é irregular e não há outra alternativa que não seja a retirada dos donos dos estabelecimentos que ficam na região.

"Não existem 24 permissões. Não podemos confundir as pessoas que tem banquinhas com permissionários. Vamos ter mais vagas no novo mercado e ao menos cinco pessoas da rua do peixe têm permissão para atuar no novo prédio. Quem deseja vir ao novo mercado e não tem permissão não poderá vir ao mercado", explica.

Questionado pela Reportagem, o prefeito foi enfático em relação às pessoas da Rua do Peixe e que não tiverem permissão para atuar no novo Mercado do Peixe.

"O espaço será desocupado. Temos alternativas que serão propostas e até março ouviremos o pessoal da Rua do Peixe. Existe uma decisão judicial que motiva a desocupação conforme o mercado ficar pronto e o pessoal sem licença será retirado", conclui.

Outro lado

Em contrapartida, os comerciantes que trabalham diariamente na própria Rua do Peixe alegam que não fazem a menor ideia de quem seriam os cinco comerciantes do local que possuem permissão para passar a trabalhar no novo Mercado do Peixe e explicam que o prefeito nunca foi no local para conversar com eles. De acordo com dois proprietários de boxs, Paulo Alexandre só compareceu à rua uma vez enquanto ainda era candidato ao seu primeiro mandato para comandar a prefeitura de Santos.

"Para nós isso é péssimo. Estamos trabalhando aqui há muito tempo. Se essa rua está errada, ou não, a culpa não é nossa, estamos aqui há mais de 30 anos e queremos trabalhar, só isso. O prefeito teria que resolver isso, mas aqui na Rua do Peixe não vem ninguém, o próprio Paulo Alexandre só veio aqui uma vez antes de se eleger e foi isso. Nós nem ao menos sabemos quem são os cinco que têm permissão, mas eles não vêm aqui paras se reunir conosco e explicar quem tem e não tem autorização e como faríamos para obtê-la", explica o comerciante José Norberto Pereira, que tem 59 anos de idade e mais de 30 anos trabalhando no local.

Enquanto tentam descobrir quem serão os cinco comerciantes que se somarão aos 15 já lotados no mercado do peixe e que completarão as 20 'lojas' do novo equipamento, as pessoas que atuam na Rua do Peixe temem pelo futuro de seus trabalhos.

"Eles não passaram nomes para a gente, nós não sabemos quem são os cinco comerciantes que possuem permissão para ir atuar no novo Mercado do Peixe. O prefeito veio aqui uma única vez na primeira campanha dele e foi bem rápido, andou até o fim da rua, entrou no carro dele com os assessores e foi embora", explica a comerciante Elaine dos Santos Cavalcante.

O medo de serem retirados da rua da noite para o dia e ter as atividades suspensas pela atual administração municipal é o maior medo tanto de Elaine, que já atua na rua há 32 anos, quanto de todos os outros que estão no local.

"É isso que tá tirando o sossego de todo mundo aqui. Mandaram um grupo de fiscais aqui não faz nem uma semana e pegaram os nomes de todo mundo daqui que ainda exerce as atividades, quem realmente trabalha. Eles têm várias listas lá e mesmo assim eles informam que apenas cinco comerciantes daqui vão para o novo Mercado do Peixe", conclui.

Colunas

Contraponto